Publicado em: quarta-feira, 25/07/2012

Conselho proíbe lojas de venderem maconha para fins medicinais em Los Angeles

Nesta terça-feira (24), o Conselho Municipal de Los Angeles definiu, por unanimidade, que lojas que tenham fachadas de comércio sejam proibidas de comercializarem maconha para uso medicinal. Esta prática, de acordo com as agências internacionais de notícia, vai contra uma lei federal norte-americana. A medida foi determinada por 14 votos a zero.

A votação foi feita depois que medidas judiciais com relação ao fechamento destas lojas pelas autoridades da Califórnia. Alguns especialistas, no entanto, afirmam que esta decisão poderá chegar ainda até a Suprema Corte. Os eleitores da Califórnia aprovaram um referendo em 1996 para que a maconha pudesse ser usada para fins medicinais. Isso fez com que os “dispensários”, como são chamadas as lojas do ramo, aumentassem agressivamente.

Autorização

Além da Califórnia, mais 16 Estados e o Distrito de Columbia dão autorização para que a erva seja usada com objetivos médicos. No entanto, o governo dos Estados Unidos ainda qualifica a maconha como um narcótico ilegal e perigoso, e várias lojas já foram fechadas. Os políticos em Los Angeles tentam controlar os dispensários há muito tempo, mesmo que na região as autoridades autorizem o uso da erva para tratamento de câncer e Aids.

Estas lojas, no entanto, causam transtorno para alguns moradores, que afirmam que elas deixam mau cheiro. Os moradores afirmam também que sentem medo que seus filhos comecem a usar a droga pela facilidade da compra porque, segundo alguns críticos, os dispensários vendem maconha para qualquer usuário que queira e não apenas para aqueles que precisam para fins médicos.