Publicado em: segunda-feira, 16/04/2012

Conselho exige 100% de precisão em diagnóstico de fetos anencéfalos

Carlos Vital, vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, declarou na última sexta-feira (13) ser possível atingir um índice de precisão no diagnóstico de fetos anencéfalos de 100%.

Apenas um dia após a decisão do STF, o Supremo Tribunal Federal, de descriminalizar o aborto de fetos anencéfalos, o conselho anunciou que será criada uma comissão, que deve apresenta critérios normativos de orientação para esses diagnósticos, em até 60 dias. A proposta é conseguir padronizar as formas usadas para que se detecte a deficiência, garantindo que não haja falhas.

Vital declarou ser possível buscar pelo 100% de precisão. A idéia é elaborar uma normativa com critérios seguros, ressaltando, por exemplo, o uso da ultrassonografia como uma forma de diagnóstico preciso.

Mudanças

A decisão do STF agora permite que as gestantes de fetos com anencefalia possam escolher interromper a gravidez, recebendo assistência médica e sem serem penalizadas. Essa comissão criada pelo Conselho irá definir, entre outras coisas, que tipo de especialistas terá o poder de analisar as imagens feitas, se será necessária a realização de outros exames para a confirmação e quantos médicos precisam realizar as avaliações.

Vital ainda chama atenção para casos de crianças que apresentam algum nível de má formação no cérebro, mas sobrevivem por anos, por não serem anencéfalos. Ele garante que, quando o diagnóstico é preciso, não tem como garantir uma vida prolongada.