Publicado em: quinta-feira, 27/10/2011

Conselho de Segurança da ONU determina fim das operações militares da Otan na Líbia

O Conselho de Segurança da ONU determinou nesta quinta-feira (27) o fim das operações militares da Otan na Líbia no dia 31 de outubro, data inicialmente prevista após a confirmação da morte de Muamar Kadafi, ex-ditador do país. A Otan havia agendado reunião para a sexta-feira (28) na qual discutiriam uma decisão formal sobre a continuidade das suas equipes na região. O presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT), Mahmoud Jibril, havia pedido que a Otan permanecesse na Líbia até o final do ano.

Composto por 15 membros, inclusive pelo Brasil, o Conselho de Segurança concordou em encerrar o mandato da ONU na Líbia, o qual havia sido criado para criar uma área de exclusão aérea sobre o país e também autorizava a intervenção de forças estrangeiras. Quando a presença da Otan foi autorizada, a intenção é que a Organização protegesse civis dos conflitos armados e da repressão do regime de Kadafi.

Mesmo com a morte do então ditador, o CNT pediu que a Otan continuasse na Líbia para ajudar na captura daqueles que continuam fiéis ao antigo regime e proteger a população de eventuais ataques que podem acontecer por parte destes. Porém, a Organização declarou repetidas vezes que seu objetivo na Líbia não é o de capturar partidários de Kadafi.

A determinação do Conselho da ONU coloca o fim da interferência estrangeira na Líbia em 31 de outubro às 23h59. A morte de Kadafi foi confirmada na última quinta-feira (20) após ter sido encontrado em meio a um conflito armado na região de Sirte.