Publicado em: sábado, 07/03/2015

Conexões 4G superam as de 3G pela primeira vez

As conexões de banda larga 4G ainda estão engatinhando no Brasil, mas já são realidade no resto do mundo. No ano passado, foi a primeira vez que a conexão de banda larga de quarta geração alcançou mais assinaturas que o tradicional 3G. As informações são de Hans Vestbergs, o presidente executivo da Ericsson. Ele falou sobre o assunto nesta última semana, quando realizava uma apresentação no Mobile World Congress, evento reconhecido como a maior feira de telecomunicações do mundo. Em 2014, foram criadas globalmente cerca de 800 milhões de novas conexões.

Com essa adição, subiu para mais de 2,7 bilhões o número de usuários acessando a rede de banda larga. Isso representa um crescimento de 40% com relação aos acessos que foram registrados no ano anterior, em 2013. Entretanto, uma parte desse acréscimo tem relação com a migração dos usuários para o 4G, superando em adesões o 3G em mais de 100 milhões de usuários. Boa parte da satisfação dos usuários tem relação com o fato de que o 4G opera usando a tecnologia LTE, alcançando uma velocidade de download 20 vezes superiores a geração anterior, em média. O 3G funciona usando os modelos HSPA e WCDMA.Conexões 4G superam as de 3G pela primeira vez

O presidente da Ericsson afirmou que as pessoas estão usando a banda larga para assistir, principalmente, vídeos na internet, que é justamente esse tipo de conteúdo que impulsiona os usuários a procurarem por pacotes de dados com melhor velocidade para acesso aos sites, como os pacotes 4G. Além disso, os vídeos também são os responsáveis pela concentração de volume de dados em poucos aplicativos. Em todo o mundo, o tráfego de dados móveis está concentrado nos cinco aplicativos: Instagram, WhatsApp, Chrome, YouTube e Facebook. No Brasil, 78% de toda a internet móvel gerada é resultante do uso desses cinco aplicativos.

Futuramente, os vídeos devem consumir cada vez mais os dados da internet móvel, conforme estimativa da empresa de telefonia. De acordo com a Ericsson, esse tipo de conteúdo deve apresenta um aumento de tráfego de dados de quase 50%, a cada ano, até 2020. Ainda que o acesso ao 4G tenha crescido em todo o mundo, a expansão no Brasil vem sendo bem lenta. No ano passado, o país fechou com 6, 76 milhões de aparelhos que estavam conectados aos dados móveis com banda larga de quarta de geração.