Publicado em: terça-feira, 29/04/2014

“Comentário de Lula merece o mais veemente repudio”, afirma Joaquim Barbosa

Comentário de Lula merece o mais veemente repudio afirma Joaquim BarbosaUma nota divulgada na noite de ontem, segunda-feira (28) o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa afirmou que a “desqualificação” do tribunal é um fato grave que merece veemente repúdio. Ele fez a declaração em referência à uma entrevista que foi feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a uma emissora de televisão portuguesa aonde ele disse que, “o julgamento do mensalão teve “80% de decisão política e 20% de decisão jurídica”.

Durante a entrevista, o ex-presidente disse que o mensalão não aconteceu e a história toda em torno disso irá ser “recontada” para saber “o que realmente aconteceu”. “Lamento profundamente que um ex-presidente da República tenha escolhido um órgão da imprensa estrangeira para questionar a lisura do trabalho realizado pelos membros da mais alta Corte do país”, diz Joaquim Barbosa. Segundo o presidente do Supremo, a forma como Lula abordou o assunto em sua declaração ele “emite um sinal de desesperança para o cidadão comum, já indignado com a corrupção e a impunidade, e acuado pela violência”.

Julgamento transparente

De acordo com Barbosa, o julgamento não foi conduzido de forma correta e transparente, e explicou afirmando que “pela primeira vez na história do tribunal”, ocorreu de forma justa porque todas as partes puderam ter acesso aos autos e também a todas as sessões do tribunal que passaram ao vivo pela TV Justiça, assim como também os advogados dos réus fizeram as solicitações que eram precisas para que o direito de defesa dos réus estivesse seguros.

“O juízo de valor emitido pelo ex-chefe de Estado não encontra qualquer respaldo na realidade e revela pura e simplesmente sua dificuldade em compreender o extraordinário papel reservado a um Judiciário independente em uma democracia verdadeiramente digna desse nome”, conclui o presidente do Supremo. Antes mesmo de Barbosa, outros ministros já haviam ido contra a fala do ex-presidente e defendem o caráter técnico do julgamento do mensalão.