Publicado em: quinta-feira, 01/03/2012

Comandante da PM de Goiânia deixa cargo após operação da PF

O coronel Sérgio Katayama, comandante do policiamento de Goiânia, deixou o cargo nesta quarta-feira (29) depois de admitir que é um dos 29 policias militares que são alvos de investigação acusados de integrar um esquema que explorava caça-níqueis.

Durante a operação, que foi deflagrada nesta quarta pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal, foram detidas 20 pessoas. Entre os presos, está Carlos Augusto de Almeida Ramos, conhecido como Carlinhos Cachoeira, que esteve envolvido no escândalo que deu origem à CPI dos Bingos, em 2005.

Ao entregar o cargo, o coronel garantiu que pediu o afastamento para que o caso pudesse ser apurado com total transparência e sem nenhum tipo de parcialidade. A investigação durou 15 meses e levou à criação da Operação Monte Carlo, onde policiais militares e civis do estado estão entre os suspeitos de fazerem parte da rede que o esquema de caça-níqueis, protegendo os líderes dos grupos em troca de propina.

Entre os suspeitos no caso estão três tenentes-coronéis, um major, um capitão, dois sargentos, quatro cabos e outros 18 soldados da Polícia Militar. Enquanto isso, a cúpula da Polícia Civil, por meio da delegada-geral Adriana Accorsi, afirmou que dará completo apoio à investigação e apura a participação de outros seis delegados na quadrilha, além do envolvimento de um outro agente.

Além de Carlinhos Cachoeira, também foram presos Wladmir Garcez, ex-presidente da Câmara dos Vereadores de Goiânia, e um funcionário que trabalha na Justiça estadual de Goiás.