Publicado em: segunda-feira, 24/02/2014

Com recordes de área plantada e produtividade, Mato Grosso tem problemas com as chuvas para a colheita da soja

Com recordes de área plantada e produtividade, Mato Grosso tem problemas com as chuvas para a colheita da sojaEnquanto a falta de chuvas é temida por produtores, pelo risco de afetar a cultura graneleira no país, um estado sofre com o problema oposto. As constantes chuvas no Mato Grosso limitou a colheita da soja no Estado, que é responsável por 30% da safra de soja do Brasil. Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), apenas metade da produção, aproximadamente, foi colhida até o momento.

A constância da chuva, que não é muito intensa, pode gerar atraso na colheita e complicar o planejamento de logística do granel. O Mato Grosso registrou 8,3 milhões de hectares plantados, recorde histórico que deve render quase 27 milhões de toneladas de soja, números que colocam o Estado na liderança nacional da produção do grão, logo à frente do Paraná.

O Brasil deve ter colheita total de 90 milhões de toneladas, segundo dados do Ministério da Agricultura, mas este número não considera inda a seca de janeiro, que afetou principalmente os Estados do Mato Grosso do Sul, Paraná e Goiás.

Se persistirem ou aumentarem de intensidade, as chuvas no Mato Grosso podem afetar a qualidade da soja. Até o momento, os prejuízos são quase imperceptíveis, sendo o maior problema ainda o atraso no cronograma.

Chuvas devem continuar no MT

A previsão do tempo não é animadora para os produtores mato-grossenses. O instituto Somar Meteorologia avisa que entre 26 de fevereiro e 2 de março as precipitações continuam nas partes sul e oeste do Brasil Central. Os vizinhos Mato Grosso e Mato Grosso do Sul tendem a ser os mais afetados.

O ritmo da colheita deste ano, entretanto, está mais rápido que da temporada 2012/2013 da safra. Em 2013, os produtores tinham alcançado apenas a marca de 43% de colheita no Mato Grosso.