Publicado em: sábado, 24/03/2012

Com o desaparecimento de dinheiro, alunos de MG são obrigados a tirar a roupa

No sul de Minas Gerais, a Secretaria de Educação da cidade de São Gonçalo do Sapucaí afastou uma professora das atividades da escola Municipal Nossa Senhora Aparecida. Além de professora, a mulher também atuava como bibliotecária e monitora do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).

O afastamento ocorreu logo após a denúncia de mães que informaram que a monitora havia obrigado as crianças a retirarem a roupa depois do suposto sumiço de R$ 30 de sua bolsa.

“Eles foram obrigados a tirar tudo, meia, sapatos, blusas, cuecas, calcinhas, de meninos e meninas, todo mundo”, declarou uma das mães, que prefere não revelar o nome. “Nós ainda fomos ameaçadas de suspensão se contássemos o que tinha acontecido”, afirmou outra mãe, que também não quis se identificar. O caso ocorreu na terça feira passada (20).

Medidas

A secretária de Educação do município, Marli de Souza, confirmou a ocorrência do acidente, mas firmou que as crianças foram obrigadas a retirar as roupas apenas parcialmente. A faixa etária destes alunos é de 10 anos.

“Foram nove alunos que participavam do Peti no turno da manhã na escola. A monitora era voluntária e estava no segundo dia de trabalho. Ela era vinculada a secretaria de Assistência Social. Já a professora estava em sala e não tomou qualquer medida. Ela foi omissa”, explicou.

A Secretaria informou ainda que a denuncia já foi encaminhada ao Ministério Público (MP), Polícia Civil e Conselho Tutelar. De acordo com a secretária, o dinheiro desaparecido não foi encontrado com nenhuma das crianças.