Publicado em: quinta-feira, 11/04/2013

Com medo de criar elefantes brancos, Rio 2016 vai ter instalações temporárias

Com medo de criar elefantes brancos, Rio 2016 vai ter instalações temporáriasUm parque olímpico de maneira funcional, e que tenha baixo custo e sem deixar a estética de lado. Estes vão ser os requisitos que Prefeitura do Rio de Janeiro quer para os Jogos Olímpicos do Rio em 2016. Depois da divulgação de imagens de como serão os locais de disputas de natação, handebol, tênis e do ciclismo em velódromo, a presidente Maria Silvia Bastos Marques da Empresa Olímpica Municipal (EMOP), informou outra novidade sobre os equipamentos esportivos, eles serão temporários e poderão ser transformados e aproveitados de outras maneiras que não apenas para a realização de práticas esportivas.

A arena de handebol vai ter capacidade para 12 mil pessoas e a obra está prevista para começar apenas no segundo semestre deste ano, esta arena, após os jogos olímpicos se tornará quatros escolas municipais. Os locais ainda vão ser escolhidos em um trabalho realizado junto à Secretaria Municipal de Educação e vão ser definidos através de edital para a construção que vai ser realizado ainda durante o primeiro semestre de 2013.

Maria Silvia diz que a prioridade é funcionalidade e o custo, e que o objetivo é que não fiquem elefantes brancos, que são obras gigantes sem utilização, para o Rio de Janeiro. Ela diz ainda que o custo de certo equipamento não é apenas o envolvido na construção e sim que é preciso contar os custos para a manutenção, que vai ser gasto no resto da existência do local, por isso, Maria Silvia diz que foi necessário calcular tudo, e dessa forma a construção permanente não iria fechar as contas.

Além desta arena de handebol, outras áreas também vão ser reaproveitadas. O centro para esportes aquáticos, que está em projeto final para conclusão e vai contar com capacidade para 18 mil pessoas, deve ser dividido para outras cidades.