Publicado em: quarta-feira, 30/05/2012

Classe média representa 54% da população

A Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) divulgou ontem uma pesquisa que cria novos critérios para identificar a classe média no país. O grupo da classe média é definido como as famílias que possuem renda per capita entre R$ 300 e R$ 1 mil. Hoje, essa classe representa mais da metade da população, totalizando 54%. Especialistas trabalharam ainda para dividir a classe em três grupos internos. Para isso foi utilizado o critério de vulnerabilidade, que significa a chance de as pessoas sofrerem perda na renda e deixar a classe média. Essa divisão servirá como parâmetro para que o governo tome medidas para sustentar as famílias nessa classe. Em 2001, a classe média representava 38% da população, enquanto hoje já passa de 50%.

Objetivo do estudo é entender e mapear melhor esta classe, afirma ministro

Segundo o ministro da secretaria, Moreira Franco, o objetivo desse trabalho de criação de novas métricas é que o governo entenda melhor essa camada da sociedade e possa criar políticas para mantê-la em crescimento. A divisão interna foi preparada da seguinte maneira: a baixa classe média possui renda per capita entre R$ 300 a R$ 440; a classe média recebe entre R$ 440 a R$ 640 por pessoa; e classe média alta, fica abrange as famílias em que a renda de cada um está em R$ R$ 640 a R$ 1.020. Esse nível é resultado das ultimas pesquisas realizadas em 2009, mas os valores receberam correção até hoje. Além dessas definições da classe média, a pesquisa também mais tr6es definições de renda. A primeira dela define que a faixa “extremamente pobre” possui renda para cada membro da família de até R$ 81; a “pobre, mas não exatamente pobre” recebe entre R$ 162 e R$ 291; e a vulnerável fica entre R$ 291 e R$ 441. Também foram feitas alterações para a classe alta que ficou dividida em baixa classe alta, para as famílias em que a renda está entre R$ 1.019 e R$ 2.480 e a alta classe alta em que os rendimentos ficam acima de R$ 2.480.