Publicado em: quarta-feira, 27/02/2013

Ciro Gomes diz que Lula está perdido após descobrir que não é um Deus

Ciro Gomes diz que Lula está perdido após descobrir que não é um DeusO ex-governador do Estado do Ceará Ciro Gomes disse durante esta terça-feira (26) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem ele foi ministro, está perdido na vida, Ciro diz que Lula pensava que era um Deus e agora está descobrindo que não é, ele ainda disse que o ex-presidente vai tentar buscar de novo ser Deus, porém ele não vai encontrar isto nunca mais.

Em outra análise da política nacional, Ciro criou mal-estar no PSB quando disse que o presidente de seu partido, governador do Estado do Pernambuco Eduardo Campos, tem muitas poucas chances em uma disputa na Presidência no ano que vem.

Ciro ainda chegou a questionar a decência do PSB se o partido deixar para romper junto do governo apenas em um período próximo às eleições ao invés de entregar os cargos que são destinados ao partido no governo de Dilma Rousseff (PT).

O ex-ministro diz que as pessoas podem chegar a desqualificar o portador de ideias e de opiniões, isto ele diz aceitar, ainda mais agora, que diz estar com pouco interesse em participar disso tudo, porém há um recado sobre o que diz ser uma tentativa do partido de que ele fique isolado e sem autorização após as primeiras críticas feitas para Eduardo Campos, durante o domingo.

Ele diz que Eduardo Campos, Aécio Neves, (PSDB) e a Marina Silva (Rede) têm dotes e qualificações para que possam ser presidente, mas ele perguntou onde estão as propostas deles.

Ciro participou durante esta terça-feira (26) de um seminário junto a empresários na cidade de Salvador, afirmou que quer saber o que Aécio vai fazer com Petrobras, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil um dia depois que Aércio elogiou a política de privatizações realizadas durante o governo de FHC.

O ex-ministro ainda questionou se Marina vai manter a ideia que tinha enquanto era ministra do Meio Ambiente no governo Lula de assinar tratados internacionais que poderiam colocar na marginalidade a política energética do Brasil.

Ciro disse que ficou irritado com o PSB por ele não ter o candidato do partido durante a eleição presidencial no ano de 2010. Ele diz que legítimo e era natural, pois o Lula estava encerrando o seu ciclo, Dilma estava representando um salto no escuro, e o partido não quis ter um candidato, e escolheu apoiar uma candidata desconhecida, mesmo que ele aparecesse no segundo lugar das pesquisas.

Neste momento, o partido com Eduardo Campos está no quarto lugar. E não tem muitas probabilidades de ascender, por causa da qualidade deste processo, pois atualmente Dilma não é mais uma pessoa desconhecida e está se cada vez se qualificando mais para a opinião pública do Brasil.

Os elogios à presidente acabaram no momento em que falou sobre o chamado banquete fisiológico de coalizão entre PT-PMDB. Segundo Ciro, vai ser muito difícil que Dilma escape de uma aliança que está fundamentada em apoiar os presidentes do Senado, Renan Calheiros, e Câmara, Henrique Eduardo Alves, que são do PMDB.

O cenário ideal de Ciro seria que conseguisse emplacar o irmão, Cid Gomes (PSB), que é governador do Estado Ceará, dentro da chapa petista no lugar de Michel Temer (PMDB) como vice de Dilma.