Publicado em: sexta-feira, 28/03/2014

Cinema chinês apresenta crescimento de 27%

Cinema chinês apresenta crescimento de 27%Nesta quinta-feira, 27 de março, a MPAA (Motion Picture Association of America), órgão representativo dos estúdios de cinema norte-americanos, divulgou um balanço do mercado cinematográfico em todo o mundo. Os números, relativos a 2013, mostram uma estagnação das bilheterias nos Estados Unidos, com aumento de apenas 1% em relação ao ano anterior. No resto do mundo, entretanto, os números são muito mais animadores: a renda total dos cinemas no planeta chegou a U$25 bilhões, o que representa um aumento de 5% em relação ao mesmo período de 2012.

Cinema chinês

O grande destaque do levantamento foi o cinema chinês. Em 2013, o país obteve uma receita com bilheteria superior a U$3 bilhões, valor nunca antes alcançado por outro país além dos Estados Unidos. Este valor representa um aumento de 27% nas bilheterias dos cinemas chineses, o que ajudou a elevar a média mundial.

Caso esta velocidade de crescimento seja mantida, a estimativa é de que, já em 2016, o cinema chinês se torne mais rentável do que o norte-americano.

Regiões

Com o grande crescimento apresentado pelo cinema chinês, a Ásia se tornou o continente mais lucrativo para o cinema no mundo, superando o grupo “Europa, África e Oriente Médio” e também o “Estados Unidos e Canadá”. Em ambos os casos, as receitas foram de U$10,9 bilhões. A Ásia, por sua vez, conseguiu U$11,1 bilhões.

A América Latina segue sendo a “lanterna” do grupo, com um faturamento de U$3 bilhões. Contudo, apesar da pouca participação na receita global, o continente pode comemorar um aumento de 7% na renda em relação ao período anterior – mesmo crescimento do mercado asiático, em termos de porcentagem.

Brasil

De acordo com o levantamento, o Brasil arrecadou U$900 milhões em bilheteria em 2013. O país vive um crescimento animador no que diz respeito à quantidade de produções. No ano passado, foram lançados 127 filmes nacionais. No ranking de países, o Brasil está na 11ª posição em relação à importância no mercado.

Venda de ingressos

Apesar do crescimento de 1% no mercado norte-americano, os números preocupam a indústria cinematográfica. Isso porque, enquanto a receita cresceu 1%, o valor dos ingressos ficou 2% mais caro, o que significa que o público nos cinemas norte-americanos foi menor em 2013 em relação ao ano anterior.

Segundo a MPAA, em 2013 foram vendidos 20 milhões de ingressos a menos do que em 2012. Apesar da queda, a MPAA tem algumas razões para se manter otimista. De acordo com Chris Dodd, presidente do órgão, 74% das pessoas que frequentam cinemas nos Estados Unidos possuem, no mínimo, quatro dispositivos eletrônicos que permitem a exibição de filmes, como smartphones, computadores e tablets.

Portanto, as pessoas continuam indo aos cinemas, mesmo tendo outros meios de assistir aos filmes que estão em cartaz. Este cruzamento de dados tranquiliza a MPAA, que já chegou a demonstrar preocupação com a difusão de filmes através da internet. Hoje, Dodd chegou a dizer que a tecnologia é uma aliada, não uma inimiga – discurso impensável há poucos anos.