Publicado em: terça-feira, 16/09/2014

Cigarro, hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade podem aumentar os riscos de um problema cardíaco

Cigarro, hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade podem aumentar os riscos de um problema cardíacoNo programa Bem Estar dessa segunda-feira (15), os cardiologistas Roberto Kalil e Marcelo Sampaio falaram sobre a seriedade da saúde cardíaca e deram dicas de como evitar doenças. Segundo o médico Roberto Kalil, é importante ressaltar que a partir dos 40 ou 50 anos, há chances de um evento cardiovascular aumentar, nos homens e nas mulheres. Se caso o paciente fumar, tiver hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade, os riscos podem ser cada vez maiores.

Em casos de pressão alta, o risco aumenta para 30%. Normalmente, não existem sintomas, mas a pessoa que já está com o problema pode sentir dores na cabeça, na nuca e na região dos olhos. De acordo com o cardiologista Roberto Kalil, é indispensável procurar um médico para cuidar da pressão antes que se torne um problema crônico, assim diminuir riscos maiores, como infarto e derrame cerebral. Se o paciente tiver hipertensão leve, talvez precise apenas mudar os hábitos, acrescentando a rotina atividade física regular e dieta equilibrada, e isso já basta para melhora. Se forem casos mais graves, pode ser que precise de medicamentos no tratamento.

Colesterol

Outro fator que traz sérios problemas a saúde do coração é o vilão presente na vida de grande parte das pessoas, desde os mais velhos aos mais novos: o colesterol alto. Ele pode aumentar em 40% os riscos, em casos assim, o médico pode receitar a estatina, o medicamento mais conhecido para quem tem o problema. O cardiologista Roberto Kalil aconselha que as crianças que possuem casos na família dosem o colesterol desde a maternidade. Para o cigarro, o especialista Marcelo Sampaio diz que este é o maior fator de risco evitável. Em torno de 40% dos homens fumam e isso é responsável por lesionar as paredes das artérias, causando crescimento de diversos problemas cardíacos.