Publicado em: sábado, 03/12/2011

China sinaliza estar disposta a assinar acordo sobre emissão de gases-estufa

A China sinalizou que está disposta a aderir a um acordo que estabeleça metas a serem cumpridas para reduzir a emissão de gases-estufa, sendo que ela se configura atualmente como a maior emissora desse tipo de poluição no mundo. De acordo com o negociador chefe Su Wei, que está em Durban para a COP 17, o governo não descarta a possibilidade de um acordo legalmente vinculante, mas essa adesão depende das negociações.

Além da China, os Estados Unidos também não chegam a um acordo para assinar o tratado que deve ser a renovação do Protocolo de Kyoto. Ambas as nações defendem que enquanto não for uma imposição global a todos os países, não há porque se comprometerem com as metas. Porém, as duas nações são os maiores emissores de gases-estufa. Por conta disso, um acordo sem a participação dos dois é bem menos efetivo do que poderia ser.

Para o polonês Tomasz Chruszczow, “precisamos de uma nova perspectiva, um mapa de um novo acordo legalmente vinculante que inclua todos os emissores. Nossas emissões são menores que em 1990 e nosso PIB só cresce. Isso mostra aos outros países que não é preciso ter medo”. O europeu também destaca que assumir o compromisso com as taxas de carbono não é necessariamente bloquear o desenvolvimento econômico.

O atual Protocolo de Kyoto tem duração até o final de 2012, sendo que a renovação teria que ser aplicada a partir de 2013. Ainda não existe nenhuma substituição para o tratado que atualmente é o único que impõe limites na emissão de gases-estufa.