Publicado em: sexta-feira, 30/09/2011

China lança seu primeiro módulo espacial

Nesta quinta-feira (29) a China lançou o seu primeiro módulo experimental. O lançamento faz parte de um programa que pretende dar ao país uma estação espacial até 2020. O foguete (Longa Marcha 2F) transportava a nave Tiangongo-1 (Palácio Celeste) e decolou no horário previsto da base no deserto de Gobi.

O lançamento foi acompanhado pelo presidente Hu Jintao, o primeiro-ministro Wen Jiabao e o vice-presidente Xi Jinping. A 220 quilômetros da Terra, dez minutos após o lançamento, a Tiangong-1 se separou do foguete sem problemas. 30 minutos após o lançamento, o diretor dos programas espaciais, Chang Wanquan, anunciou que a operação foi um sucesso.

A nave girará em uma órbita a 350 km de altura e depois descerá até a343 km para o acoplamento com a nave Shenzhou VIII. O acoplamento é um movimento muito complexo e envolve muita tecnologia. As duas naves, situadas na mesma órbita, se movimentam a 28.000 km/h ao redor da Terra e devem se aproximar progressivamente antes da união para evitar uma colisão.

A China vive agora uma fase para recuperar o tempo perdido na área da tecnologia. Isabelle Sourbès-Verger, especialista no programa espacial chinês no Centro Nacional de Pesquisa Científica francês afirmou: “Se os chineses demonstrarem que têm uma capacidade de acoplamento que funciona bem, isto os colocará na potencial posição de poder um dia aspirar a ter acesso à Estação Espacial Internacional”