Publicado em: terça-feira, 22/11/2011

Chevron nega estar utilizando areia para dispersar petróleo

George Buck, presidente da Chevron Brasil, afirma que a companhia não está usando areia para dispersar o petróleo derramado pela empresa após um acidente na bacia de Campos. O acidente aconteceu no dia 7 de novembro durante uma perfuração de poço no Campo de Frase.

O presidente nega a utilização de areia e produtos químicos e afirma que os procedimentos estão de acordo com as normas do Ibama. Ele diz que a empresa está utilizando jateamento de água para fazer a dispersão mecânica. Nesta segunda-feira, Buck disse que a quantia de óleo que vazou nas operações da Chevron é de 2.400 barris e que a vazão das fissuras, no momento, é de 20 barris.

Ele afirma que a companhia está fazendo a dispersão mecânica do óleo e o recolhimento do petróleo. Buck afirma que este recolhimento, entretanto, só começou na operação de limpeza, quando o óleo já estava mais grosso, pois agora não há densidade necessária para realizar esta operação.

O executivo disse também que não foi notado pelos estudos sísmicos nenhuma falha geológica e que não tem como afirmar, ainda, se a fissura que fez com que o petróleo vazasse do fundo do mar foi devido a uma imprecisão nos cálculos da pressão do óleo. Buck afirma que ao chegar aos 3.319 metros, a empresa descobriu uma zona de pressão superior a calculada.