Publicado em: sexta-feira, 16/03/2012

Chevron apresenta novo vazamento e recebe critica de Minc

Depois do novo vazamento identificado na Bacia de Campos, Carlos Minc, secretário do Estado do Rio de Janeiro, exigiu que seja feita uma análise de risco. A empresa Chevron encontrou um vazamento de petróleo nesta quinta-feira e pediu para suspender os serviços da petroleira. Segundo o secretário é necessário, além de uma análise de risco, propor medidas preventivas rigorosas para a empresa no que diz respeito à questão ambiental.

Minc ressaltou que uma das hipóteses para o novo vazamento é que seja de fissuras no fundo do mar. O governo pretende acompanhar os serviços do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente, do IBAMA e da ANP para verificar quais são os problemas. O ministro garantiu ainda que o estado vai estar presente acompanhando o caso como sempre tem feito. Ainda não se tem informações a respeito da causa, da quantidade que tem vazado e do local exato. O governo vai reforçar as investigações para obter essas informações e resolver o problema com a petroleira.

Minc critica a empresa e pede mais transparência

Ao falar deste problema atual, Minc Criticou a Chevron e disse que pede mais transparência neste caso. Quando houve o primeiro vazamento em 2011 acredita-se que as informações repassadas pela empresa não condiziam com o real problema detectado pelos órgãos ambientais. Minc disse que os dados até o momento ainda não são suficientes e é preciso mais estudos para chegar a conclusões mais avançadas. Ressaltou que a Chevron precisa dizer se há relação ou não deste problema com o que ocorreu em novembro do ano passado. O ministro alega que as causa do antigo acidente não foram totalmente resolvidas pela empresa.

Minc finalizou dizendo que em 2011 a companhia foi avisada pelas empresas que deram o laudo de que havia fissuras no fundo do mar, no entanto não fizeram todo o processo para fechá-las. O correto era ter terminado a obra, pois poderia causar problemas futuros como este que pode estar relacionado novamente ao mesmo problema.