Publicado em: sexta-feira, 02/12/2011

Chefe do FMI diz que economia brasileira é forte e deve resistir à crise

Nesta quinta-feira (1), a chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde participou de sua visita protocolar ao brasil onde se encontrou com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, para debater os efeitos da crise nas economias mundiais. Durante o encontro, eles debateram sobre a possiblidade dos países emergentes serem afetados pela crise na zona do euro.

Em sua fala durante a entrevista coletiva que aconteceu em Brasília, Lagarde falou sobre as estratégias adotadas pela economia brasileira e como elas conseguem influenciar o cenário econômica. Ela destacou as três bases responsáveis pelo fortalecimento da economia: “metas de inflação, taxa de cambio flutuante e responsabilidade fiscal”.

“Graças a esse coquetel, a economia está sólida e pode resistir. O Brasil está protegido pela força de seu mercado interno e por suas boas políticas macroeconômicas”, acrescentou.

Christiane ainda comentou que as ações feitas pelos Bancos Centrais do Canadá, do Japão, da Suíça, do Reino Unido e também dos Estados Unidos devem adotar um efeito mais imediato para apresentar soluções para a crise. “Notamos que esse tipo de ação produz efeitos imediatos. Trata-se de uma iniciativa positiva, não a única necessária, mas positiva”.

De acordo com a chefe do FMI, a entidade está pronta para tomar as devidas providencias, porém, só irá aplicá-las quando a ajuda for solicitada. Ela disse que o momento para a emissão de ajuda depende da evolução da crise. “O ‘timing’ é sempre crítico em qualquer negociação, em qualquer operação. O FMI está pronto para fazer o que for requisitado e irá encarar suas responsabilidades”, explicou.