Publicado em: terça-feira, 06/08/2013

Chacina em SP: Polícia trabalha com hipótese do filho ter matado família e se suicidado

Chacina em São PauloA polícia segue a linha de investigação que leva a crer que o filho do casal de policiais mortos de 12 anos tenha assassinado a família e logo após tenha tirado a própria vida. A polícia declarou que a casa onde família foi encontrada não tinha características de ter sido de arrombada.

O coronel Benedito Roberto Meira, que também é comandante da Polícia Militar de São Paulo, relatou que os indícios encontrados no local são característicos de execução em seguida de suicídio.

Pelo fato de o garoto escrever com a mão esquerda e o disparo ter sido feito justamente do lado esquerdo de sua cabeça, reforça a suspeita de suicídio.

A polícia segue também outras linhas de investigação sobre o caso que ocorreu na Vila Brasilândia, em São Paulo.

Segundo informações do Coronel, o carro da PM Andréia não estava localizado na casa e foi localizado em frente à escola do filho.

A Polícia Militar disse que ainda não é possível dizer oficialmente a causa da chacina ocorrida e informou que à medida que forem surgindo novas evidências irá se pronunciar.

Os policiais militares Andréia Regina Bovo Pesseghini e Luis Marcelo Pesseghini, que eram casados e tinham um filho Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, foram encontrados mortos com disparos de arma de fogo na noite desta segunda-feira na casa onde moravam no bairro da Brasilândia, localizado na zona norte da cidade de São Paulo.

Além do casal e do filho, mais duas pessoas, foram encontradas mortas, a mãe de Andréa e também uma tia da policial que teria ido visitar o casal.

Os corpos foram localizados na segunda-feira à tarde, após uma denúncia feita de assalto a residência, as policiais que trabalhavam com Andréia também estranharam o fato de ela não ter comparecido ao trabalho e resolveram se encaminhar a casa da policial para verificar o que teria acontecido.

O Sargento Luis Marcelo estava de folga, e tinha outro serviço para fazer, pessoas que trabalhavam com Luis nesse bico também notaram a ausência do policial.

Luis Marcelo era Sargento da Rota há pelo menos 15 anos. O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa.