Publicado em: sexta-feira, 09/03/2012

Cesta básica está mais barata, segundo Dieese

O preço da cesta básica brasileira caiu entre janeiro e fevereiro de 2012. Essa diminuição nos preços ocorreu em 12 das 17 capitais. Esse acompanhamento de preços é feito mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Trata-se da Pesquisa Nacional da Cesta Básica que mede os valores dos principais produtos consumidos pela população. Florianópolis, Salvador e Curitiba foram as capitais que apresentaram as maiores quedas. Na capital da Bahia, a diminuição foi de 5,8%, por exemplo.

Nas únicas cinco capitais em que o preço ficou mais caro, o maior reajuste identificado pela pesquisa foi de 2,14%, em Natal. O valor médio da cesta básica ficou em R$ 218,21. Nas outras quatro capitais, os aumentos foram muito baixos, ficando pouco acima de 0. É o caso de Aracaju, com 0,38% de aumento nos preços. No entanto, se comparado com as outras capitais, em Aracaju o valor da cesta básica é o mais baixo de todo o país. Este mês, por exemplo, o preço total era de R$ 188,59. Se comparado a janeiro o preço aumentou, mas ante as outras capitais os produtos são mais baratos.

São Paulo tem a cesta básica mais cara do país mesmo com diminuição de 3,15%

A capital tem um comportamento contrário de São Paulo. A capital paulista tem o custo mais elevado da cesta básica brasileira chegando a R$ 276,54. Esse valor de fevereiro ainda apresentou queda de 3,15% em relação a janeiro. Em segundo lugar está a capital gaúcha com 1,83% de queda, fechando em R$ 269,61. Em terceiro lugar entre as mais caras do país está Vitória, com o valor médio de R$ 267,19. A cidade apresentou queda de 1,46% na pesquisa do Dieese.

Ao contabilizar o preço da cesta básica, o Dieese também calcula o valor estimado do salário mínio correspondente aos valores dos produtos. Em fevereiro de 2012 os cálculos mostraram que o salário teria que ser de R$ 2.323,21. Esse valor estimado é 3,74 vezes maior em relação ao valor estabelecido atualmente que é de R$ 622,00. Este valor ainda é mais baixo do que do primeiro mês do ano, quando chegou a R$ 2.398,82, totalizando 3,86 mais que o recebido pelos brasileiros hoje.