Publicado em: domingo, 24/08/2014

Cérebro é responsável por ativar os músculos e ossos apenas com o pensamento

Cérebro é responsável por ativar os músculos e ossos apenas com o pensamentoTreinar a coordenação motora e investir em novos exercícios e habilidades podem manter o corpo e a mente mais ativos. De acordo com a educadora física Mônica Monteiro e o neurologista Tarso Adoni, grande parte dos exercícios começam pelo olhar. Isso acontece porque o cérebro é responsável por ativar os músculos e os ossos só com o fato de se pensar em realizar um movimento, mesmo estando parado. O cérebro faz isso porque não diferencia a atividade real da projetada.

Pesquisas revelam que atletas que observam outras pessoas fazendo um movimento, acabam tendo um melhor desempenho em seu treino. Aplicado a rotina diária, pode servir para parar e prestar atenção nas explicações sobre os movimentos. Um especialista fez uma análise em torno dos talentos e habilidade, como nadar, cozinhar, escrever, falar em público, fotografar e tocar instrumentos musicais.

Habilidades

Todos nasceram com algum talento, que vem desde a genética e contribui para que se realize diferentemente e muito bem uma determinada ação, contudo, essas habilidades só aparecerão quando a pessoa der oportunidade para que isso se realize e passe a treinar e repetir essa habilidade constantemente, se aperfeiçoando. Um exemplo que ilustre bem o estudo é a dança indiana, uma modalidade que necessita de muita coordenação motora e uma grande combinação de movimentos do corpo com os olhos.

Nesse caso, a perfeição dos movimentos acontece quando se esquece dele, quando eles passam a ser automáticos e não controlados, assim como a coordenação que é preciso ter nas mãos para tocar piano. Adoni explica que, quando se deixa de pensar no movimento, é liberado espaço no cérebro para criação. Avaliando todas as funções, o cérebro coordena o movimento de cerca de 600 músculos e 200 ossos e cada parte da área que controla a coordenação motora, responde por um movimento específico. Nos movimentos mais delicados, estes ocupam a maior parte da área motora, como a boca e as mãos.