Publicado em: quarta-feira, 20/11/2013

Cerca de 157 municípios estão em situação de risco em relação a dengue

Cerca de 157 municípios estão em situação de risco em relação a dengueNovo gráfico da dengue desponta que 157 municípios brasileiros estão em situação de risco para a dengue, e mais 525 em cautela e 633 municipalidades com indicador suficiente. As informações são do Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa), exposto na terça-feira, 19 pelo Ministério da Saúde e Secretaria de Vigilância em Saúde.

O estudo, realizado pelo Ministério de Saúde em parceria com os estados e cidades foi idealizado entre 01 de outubro a 08 deste mês, em 1.315 municípios com o intuito de, mostrar onde estão agrupados os centros de reprodução do agente transmissor da doença.

Para acentuar as atuações de cautela, precaução e domínio da dengue, o Ministério da Saúde está duplicando o calibre de investimentos aditivos que serão impregnados em todo território brasileiro. Portaria aprovando a transferência de R$ 363,4 milhões foi firmada ontem pelo ministro Alexandre Padilha. Os investimentos ajudarão a aumentar as atividades de prevenção em saúde, que adicionam R$ 1,2 bilhão.

Esta quantia adicional constitui um aumento de 110% em comparação ao que foi repassado em 2012 e considera todas as cidades do país. Em 2012, foram repassados R$ 173,3 milhões. Em compensação, as municipalidades necessitam preencher objetivos de como asseverar a contagem adaptada de agentes de controle de endemias, afiançar a cobertura dos fluxos em residências pelos agentes e realizar o LIRAa.

Em relação aos primeiros presságios da dengue, febre, dor de cabeça, dores nas articulações e no fundo dos olhos, a indicação do Ministério da Saúde é buscar um médico e não tomar remédios por conta própria. Quem se automedica pode fazer com que os sintomas fiquem escondidos atrasando o diagnóstico.

Para atenuar a propagação do mosquito, é fundamental que os moradores examinem o apropriado armazenamento de água, a disposição do lixo e a supressão de todos os invólucros sem utilidade que possam empilhar água e virar depósitos do mosquito.