Publicado em: sábado, 15/03/2014

Ceagesp suspende cobrança de estacionamento após manifestações

CeagespA Ceagesp, Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo, declarou que a cobrança do estacionamento está suspensa e que o local estaria fechado para o público durante o final de semana. A medida foi pronunciada depois de um violente protesto, realizado na manhã da última sexta feira. O protesto deixou um rastro de destruição, além de pelo menos cinco pessoas feridas, deste total, uma delas saiu baleada do local. A Ceagesp informou que durante o final de semana só esatria aberta para carga e descarga.

O presidente da Ceagesp, Mário Maurici, informou que eles precisarão encontrar novas formas de financiamento para manter o local nos próximos meses, já que desistiram da cobrança do estacionamento. Somente se outras formas forem encontradas, eles irão reavaliar a cobrança. De acordo com informações da Ceagesp, quatro seguranças terminaram feridos por pedras. Entre eles está o vigilante Fábio Santos, de 35 anos, que foi levado para atendimento médico com um machucado na cabeça, ocasionado durante o tumulto. O presidente ainda afirmou que a confusão começou de forma inesperada, que não foi possível nem entender muito bem o que houve. O vigilante chegou a ficar inconsciente depois de ter sido atingido e recebeu primeiro socorro dos policiais que estavam no local.

Testemunhas da manifestação e trabalhadores que estavam no local relataram à imprensa que também houve disparos de arma de fogo. A Polícia Civil divulgou que Wellington Washington dos Santos, de 23 anos, carregador de caixas, teria encaminhado ao Hospital Universitário com um tiro na região do abdome. Ainda na tarde de sexta ele foi submetido a uma cirurgia, mas passava bem. A polícia informou que a invasão do pátio da Ceagesp aconteceu perto das 11 horas de sexta feira, por um grupo de aproximadamente 100 pessoas.

Uma parte deles teria ateado fogo nas caixas de fruta, além de caçambas, cabines de fiscalização, um carro e um caminhão que estava no pátio. Dois prédios também foram incendiados, local em que estariam instalados setores administrativos da Ceagesp. Um deles, inclusive, seria um depósito de documentos e arquivos do entreposto. A Polícia Militar informou que o protesto reuniu ao total cerca de 300 pessoas. A manifestação impediu a passagem através do portão 3, que é um dos principais acessos, além de terem também dificultado o trânsito na região.

Perto do meio dia, o grupo de manifestantes estava ocupando duas faixas da Gastão, sentido Pinheiros. A recomendação da CET era evitar o trânsito pela região. A situação estava controlada perto das 14 horas, quando o batalhão de Choque se retirou do local. A tropa teria lançada algumas bombas de efeito moral nos protestantes e ainda quatro bombas de gás lacrimogênio para dispensar o grupo. Manifestantes teriam atingido a tropa com frutas.