Publicado em: segunda-feira, 25/06/2012

Caso Yoki – Elize Matsunaga tem habeas corpus negado

O habeas-corpus impetrado na semana passada em favor de Elize Matsunaga foi negado. Ela é assassina confessa do marido, o empresário que atuava na Yoki, Marcos Kitano Matsunaga. O Tribunal de Justiça de São Paulo recebeu um recurso da defesa de Elize, que solicitava sua soltura imediata, mas foi divulgado na sexta a recusa.

A assassina confessa está preventivamente presa, podendo permanecer reclusa até a data do julgamento. Quem analisou o recurso foi o desembargador da 7ª Câmara de Direito Criminal do TJ paulista, Francisco Menin.

Sobre o caso

Marcos Matsunaga, executivo da Yoki, foi dado como desaparecido no dia 20 de maio. Cerca de uma semana depois, partes de seu corpo foram identificadas em Cotia, na região da grande São Paulo. A apuração inicial da investigação indicava que o empresário havia sido assassinado com um tiro na cabeça, sendo esquartejado em seguida.

A mulher dele, bacharel em direito, técnica em enfermagem e principal suspeita, Elize Araújo Kitano Matsunaga, teve a prisão temporária decretada nos primeiros dias de junho. Ela era casada com o empresário há três anos, tendo como fruto do casamento uma filha de um ano. Marcos também tinha ainda uma filho de três anos de outro relacionamento.

As investigações mostram que em 19 de maio, a vítima foi registrada pelas câmeras do prédio, entrando em seu apartamento e nunca mais saindo de lá. Já no outro dia, a mulher dele aparece no elevador com três malas, mas, quando retorna, nenhuma das bagagens estava com ela.

Dois dias depois de ser presa, Elize revelou em depoimento ser a responsável pela morte e esquartejamento do marido no banheiro da residência. A justificativa seria uma traição do marido, onde durante uma discussão, Marcos a teria agredido. A denúncia do Ministério Público de São Paulo contra Elize foi aceita em 19 de junho.