Publicado em: quinta-feira, 21/06/2012

Caso Yoki: Elize Matsunaga é transferida para presídio de Tremembé

Elize Matsunaga, de 30 anos, acusada de matar e esquartejar o marido, Marcos Matsunaga, de 41 anos, foi transferida na quarta-feira, 20 de junho, da Cadeia Pública de Itapevi, localizada na Grande São Paulo, para o Complexo Penitenciário de Tremembé, que fica instalado a 138 quilômetros da capital paulista. Elize estava na Cadeia Pública desde o dia 5 deste mês.

O novo local onde Elize ficará preso é conhecido por ser o endereço de pessoas que estão sendo acusadas ou já foram condenadas por crimes de grande repercussão nacional. Por conta disso, o local também é conhecido como “Presídio de Caras”, em referência a revista de celebridades que leva o mesmo nome.

Na última terça-feira, dia 19 de junho, Elize foi transformada em ré no processo criminal pelo juiz Adilson Paukoski Simoni, do 5º Tribunal do Júri da capital. Ela está sendo acusada pela Polícia Civil e pela promotoria de ter assassinado e esquartejado o corpo do seu marido. Ao passar para a condição de ré, Elize também teve sua prisão temporária, que seria encerrada nesta quinta-feira (21), em uma prisão preventiva. Assim, ela poderá ficar presa até o dia do seu julgamento e por esse motivo é que ela foi transferida para a penitenciária localizada no interior do estado de São Paulo.

Assim como qualquer um dos presos que são levados para as prisões localizadas no estado, Elize ficará sem poder receber visitas nos próximos dez dias, a não ser a dos seus advogados. No Penitenciária Feminina, ela irá ficar com mais outras 154 mulheres, que ficam em um espaço que foi preparado para receber 100 pessoas. No local também estão presas outras mulheres que cometeram crimes de repercussão nacional, como Suzane Suzane von Richthofen, que pegou a pena de 38 anos de prisão por matar os pais, e Anna Carolina Jatobá, que foi considerada culpada na morte da enteada Isabella Nardoni, de cinco anos.