Publicado em: quinta-feira, 16/02/2012

Caso Eloá – Lindemberg assume ter matado a ex-namorada

Após três anos de silencio, na última quarta-feira (15), Lindemberg Alves Fernandes, resolveu dar a sua versão a respeito do cárcere privado de mais de 100 horas, que resultou na morte de Elóa Pimentel em outubro de 2008.

Ele falou por mais de cinco horas e surpreendeu os jurados por se mostrar claro e seguro em todas as suas declarações, permanecendo frio durante o interrogatório, mas apresentando um embargo na voz ao relatar o momento da morte da estudante.

O réu contou que ao invadir o apartamento em que eles estavam, a policia acabou assustando os jovens. “A polícia estourou a porta e eu tomei um susto. Ela [Eloá] ameaçou um movimento e eu infelizmente atirei”, afirmou.

Lindemberg ainda completou dizendo que agiu sem pensar e que sua intenção não era matar a estudante. “Pensei que ela pudesse vir para cima de mim. Eu vi o movimento e atirei. Foi tudo muito rápido”, contou.

Entretanto, o acusado negou que tenha cometido os outros crimes que lhes foram atribuídos. Ele disse não se lembrar do tiro que atingiu a boca e a mão de Nayara Rodrigues da Silva, feita refém com Eloá. “Não me recordo”. “Quando fui ver, já estava sendo agredido pelos policiais. Foi tudo muito rápido. Não tinha intenção.” Também negou com convicção ter efetuado um disparo contra Atos Antonio Valeriano, sargento do GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais). Lindemberg ainda garantiu que não manteve em cárcere privado os estudantes Nayara, Iago Ferreira de Oliveira e Victor Lopes de Campos.

De acordo com Lindemberg, quando chegou ao apartamento de Eloá, sua intenção era ficar sozinho com ela para resolver “uma pendência do relacionamento”. Ele contou que os dois haviam reatado o namoro cinco dias antes, mas ainda era segredo porque Eloá teria mentido para os pais e irmãos que apanhou dele. Quanto à arma que carregava, falou que estava recebendo ameaças de morte por telefone e o revólver teria sido comprado 20 dias antes de matar a estudante.

Ao encontrar Eloá com os amigos no apartamento, ele sentiu que a ex-namorada ficou surpresa. “Ela me chamou na cozinha e falou que iria assistir um filme, mas não tinha filme nenhum lá. Pensei que ela estivesse ficando com o Victor”, afirmou Lindemberg. Foi então que ele chamou Victor para tirar satisfação, e o jovem teria assumido que deu uns beijos em Eloá.

O acusado conta que nesse momento a vitima começou a gritar e foi quando ele puxou a arma e mandou que ela se calasse. “Coloquei o revólver na cintura e pedi para os três sairem de lá, mas eles disseram que só iriam se a Eloá fosse junto. Como não quiseram [sair do apartamento], eu não iria obrigá-los”.