Publicado em: quarta-feira, 15/02/2012

Caso Elóa: julgamento de Lindemberg chega ao terceiro dia

Nesta quarta-feira (15), Lindemberg Alves, acusado de matar a ex-namorada Eloá Pimentel, passa pelo seu terceiro dia de julgamento. Há grandes expectativas em torno do depoimento do réu, que dará a sua versão do crime pela primeira vez desde que foi preso em 2008. Nas outras ocasiões em que foi chamado pela Justiça, ele se recusou a falar. Entretanto, sua advogada, Ana Lúcia Assad, garantiu que desta vez seu cliente está disposto a depor.

A fala de Lindemberg deverá ser um dos pontos altos do julgamento, pois provavelmente ele irá tentar convencer os jurados que os tiros que atingiram as vítimas não foram dados por ele. Porém, as provas apresentadas pela acusação deixam claro que as balas saíram da arma dele.

A defesa questiona os laudos periciais, pois acredita que houve trocas do número de identificação das armas, já que no laudo consta que o número registrado pela perícia era diferente do verdadeiro número da arma do acusado.

Lindemberg deve prestar seu depoimento após Paulo Sérgio Schiavo, policial do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), que fez parte da ação que invadiu o apartamento em que o réu manteve seus reféns. Se seguir a mesma linha do também policial do Gate, Adriano Geovanini, que foi ouvido ontem, a defesa deve responsabilizar a operação policial pela maneira que o sequestro chegou ao fim, pois acredita que a PM não soube conduzir as negociações de modo adequado.

Eloá foi mantida refém por 101 horas e foi baleada pelo ex-namorado quando policiais invadiram o apartamento para tentar libertá-la do cárcere privado. Aparentemente, Lindemberg indicava uma possível rendição, porém a policia afirma ter ouvido disparos no interior do apartamento, e por isso invadiu o local. Antes de ser capturado, o Limdemberg atirou, matando Eloá e ferindo Nayara, amiga da vítima que também havia sido feita refém.