Publicado em: quinta-feira, 29/03/2012

Caso Eliza Samudio: crime de homicídio a quatro réus é recusado pela Justiça

Nesta quarta-feira (28) a justiça mineira recusou, em uma decisão unânime da 4ª Câmara Criminal, a solicitação do Ministério Público para que fossem reconsideradas as acusações de crimes que envolvem réus no caso do sumiço de Eliza Samúdio. A moça, mãe de um filho com o ex-goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes de Souza, desapareceu em junho de 2010. O ex-atleta está aguardando julgamento na Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, que fica em Contagem, localizada na Grande Belo Horizonte.

Através de um recurso especial, o Ministério Público pediu a reconsideração da decisão que liberou quatro pessoas acusadas dos crimes de homicídio e ocultação de cadáver de Eliza. Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, a ex-mulher de Bruno, Fernanda Gomes de Souza, a ex-namorada de Bruno, Wemerson Marques de Souza, o amigo de Bruno, e Elenilson Vítor da Silva, o ex-caseiro do sítio de Bruno, ficaram isentos.

De acordo com o desembargador relator, Herbert Carneiro, não há omissão, contradição ou duplo sentido na denúncia atual. Os acusados do assassinato e ocultação de cadáver são somente o ex-goleiro Bruno, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos (conhecido por Bola) e o ex-braço direito de Bruno, Luiz Henrique Ferreira Romão (conhecido por Macarrão).

Os três aguardam julgamento detidos em Minas Gerais. Macarrão está preso no mesmo presídio em que Bruno está; já Bola está em uma penitenciária em São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. As outras pessoas envolvidas no caso deverão responder por crimes que envolvem o sequestro do filho de Eliza e também do sequestro da própria jovem, que ficou em cárcere privado no sítio de Bruno. Eliza teria sido levada do Rio de Janeiro para o sítio, que fica em Esmeraldas e executada no município de Vespasiano.