Publicado em: sábado, 24/11/2012

Caso Bruno – Macarrão pega 15 anos por sequestro e morte de Elisa

Caso BrunoO acusado Luiz Henrique Romão, mais conhecido como Macarrão, de 27 anos, que é o grande amigo de infância e também considerado o ex-braço-direito do ex-goleiro do Flamengo Bruno Souza, foi considerado culpado e o júri popular decidiu pela sua condenação nesta ontem, dia 23, em seu julgamento em Contagem, cidade mineira na região metropolitana da capital, Belo Horizonte. Macarrão pegou 15 anos de detenção pelos crimes de sequestro, além de cárcere privado e também foi considerado culpado da morte de Eliza Samudio, modelo que teve um filho com do jogador. Ele também foi considerado culpado pelo sequestro e também pelo cárcere do filho da modelo, Bruninho. Porém o réu foi inocentado pelo crime de ocultação de cadáver. Ontem também foi o dia da decisão da apena da ex-amante do goleiro, Fernanda Gomes de Castro, que tem 35. Ela foi condenada a pagar cinco anos pela prática do crime de sequestro, além de cárcere privado de Eliza e também de seu filho, que hoje já está com dois anos e meio de idade, e ainda não tem conhecimento dos fatos que ocorreram com sua mãe.

No país, caso a pena seja inferior a seis anos, o culpado pode pagá-la em regime semiaberto, onde se apresenta na delegacia apenas para passar a noite. A promotoria afirmou que Macarrão seria o responsável pela coordenação do plano e que foi o coordenador do sequestro no dia 4 de junho de 2010, já no Rio de Janeiro, e que teria terminado com a morte da mulher na casa de Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, e este foi quem a matou, em Vaspasiano, cidade também na região metropolitana de BH, no dia 10 de junho de 2010.

O júri entendeu que foi Macarrão o responsável por atrair Eliza para a cidade de Belo Horizonte, afirmando para a garota que Bruno resolveu fazer o teste de DNA para que pudesse reconhecer seu filho, assim como fazer a entregar para a modelo de um dinheiro que era referente á pensão do filho, assim como sustentou a acusação. Para que fosse realizada o trabalho, Macarrão teria contado no começo com o apoio de Jorge Rosa, que é primo de Bruno e era menor de idade na época em que ocorreram os fatos, e teria agredido a modelo com várias coronhadas em sua cabeça na parte de dentro da Land Rover do goleiro.

Logo em seguida, os dois decidiram levar Eliza até a casa de Bruno, que fica no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, sendo assim seu primeiro cárcere privado. No local eles contaram com a ajuda de Fernanda, que cuidou de Bruninho no momento em que a moça estava sendo mantida em cárcere até a noite do outro dia, sábado, 5 de junho. Eles a levaram então para Minas Gerais, no sítio do jogador.

Ainda segundo o Ministério Público, Eliza e seu bebê chegaram á Minas na Land Rover, que estava sendo dirigida por Macarrão, e Jorge o acompanhava, no mesmo momento Bruno estava indo com Fernanda em uma BMW. Assim que chegaram á Grande Belo Horizonte, os dois se hospedaram em um motel que fica em Contagem. Macarrão, Jorge e Eliza chegaram um pouco antes. Bruno e Fernanda decidiram buscar mais um primo do goleiro, deste vez Sérgio Rosa Salles, e então foram até o motel.

No outro dia, já no domingo, dia 6 de junho, todos os envolvidos se encaminharam para um jogo de futebol do time 100%, que era de patrocínio de Bruno, na cidade de Ribeirão das Neves. Todos menos Eliza. Ela foi junto com Macarrão para o sítio do goleiro na cidade de Esmeraldas, que também fica na região metropolitana de BH, e teria sido mantida também em cárcere privado até a outra semana, na quinta-feira, 10 de junho.

No dia, Macarrão, Jorge e Sérgio pegaram a moça e a levaram para um local muito próximo á Toca da Raposa, que é o centro de treinamento do Cruzeiro que fica na região da Pampulha, também em Belo Horizonte. Ali estava aguardando, em cima de uma moto, Marcos Aparecido dos Santos, mais conhecido como o Bola, que teria os guiado até sua casa em Vespasiano, no local em que a garota foi assassinada por estrangulamento. A promotoria afirmou que seus restos mortais foram destruídos. Na ocasião Bola se recusou a matar a criança e que mandou Macarrão procurar a ex-esposa de Bruno para que achasse um destino para o bebê. Então ela teria ficado com a criança no Sítio em Esmeraldas até que decidiu entrega-lo a alguns vizinhos de Bruno na Liberdade. Bruninho foi encontrado em uma das casas.