Publicado em: sábado, 24/11/2012

Caso Bruno – advogados do principal acusado esperam condenação de Macarrão

Caso Bruno - advogados do principal acusado esperam condenação de MacarrãoLúcio Adolfo, o advogado do goleiro Bruno, réu pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio deu uma declaração na tarde de sexta feira (23) que surpreendeu muita gente. Ao chegar ao Fórum de Contagem, o advogado afirmou que está esperando o resultado do julgamento de Macarrão, Luiz Henrique Romão, para poder iniciar a traçar a estratégia de defesa do ex-goleiro. A sentença de Macarrão deve sair até hoje, decidida pela juíza Marixa Fabiane Rodrigues.

Ele declarou que optaram por aguardar o resultado, confiando na decisão da justiça. Lúcio Adolfo ainda afirmou que este é o momento mais complicado, mas que a equipe estaria se preparando para estar pronta para lidar com o resultado que for alcançado. Bruno seria julgado também esta semana, mas teve o júri desmembrado e deve responder pelas acusações somente em março do próximo ano, juntamente com os corréus Marcos Aparecidos dos Santos, o Bola e Dayanne Rodrigues, ex-mulher de Bruno.

O advogado afirmou ainda que somente depois que estiverem com a decisão do Conselho de Sentença em mãos é que poderão aferir com mais precisão a defesa de Bruno, porque no caso de uma condenação de Macarrão, significaria que não acreditaram no depoimento dele, deixando a equipe mais tranquila sobre a preocupação que tinham de uma influência de Bruno sobre o desaparecimento. Caso houvesse absolvição, ficaria comprovado um furo na acusação.

José Arteiro Cavalcante Lima, assistente de acusação, afirmou acreditar na condenação dos réus Fernanda Gomes de Castro e Luiz Henrique Romão, o Macarrão, por conta do desaparecimento de Eliza. Ele afirmou que os dois não teriam como escapar desta, que a condenação seria fatal. Arteiro ainda comentou que Fernanda corria o risco de pegar uns seis anos de prisão, já considerando como certa a condenação por sequestro e cárcere privado, tanto de Eliza como do filho dela.

Já no caso de Macarrão, a pena pode ser de 15 a 16 anos de prisão, também considerando uma condenação por conta do sequestro e cárcere privado, além de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver de Eliza. Antes do início da sessão de ontem, sexta feira (23), o assistente de acusação declarou ainda na porta do Fórum que Macarrão mereceria uma pena menor que a imputada ao goleiro Bruno, como principal acusado.