Publicado em: sexta-feira, 03/08/2012

Casa da Moeda aceitará visitação a partir do dia 10 de agosto

Casa da Moeda aceitará visitação a partir do dia 10 de agostoA Casa da Moeda brasileira irá pela primeira vez em toda a sua história abrir as suas portas para receber o público. É claro que isso fez com que novos esquemas de segurança e proteção fossem planejados para que esta visita possa acontecer da maneira mais segura possível.

Trinta pessoas se inscreveram por meio da internet para fazer um roteiro de três horas dentro da Casa da Moeda. Lá, elas irão conhecer os locais onde o dinheiro, moedas e medalhas são fabricados, além da gráfica responsável por produzir os passaportes do país, além de diplomas e selos. A primeira visita pública na Casa da Moeda está marcada para acontecer no próximo dia 10 de agosto, uma sexta-feira.

No passeio, os visitantes poderão conhecer o processo de impressão das células do real. Cada nota da moeda leva 12 dias para ficar pronta e a fábrica trabalha 24 horas, em três turnos. O papel, que vem de São Paulo, é impresso em cinco diferentes processos, quando recebe as marcas da água, alto relevo e as fibras invisíveis que são sensível à luz ultravioleta.

A visitação da Casa da Moeda acontece justamente quando o Banco Central brasileiro faz o lançamento das notas de 10 e 20 reais da nova família da moeda. As novas notas, inclusive, estão sendo impressas com máquinas que foram adquiridas recentemente pela Casa da Moeda. Esse novo maquinário permite que o número de cores presentes nas cédulas, que antes eram 19, passam a ser maiores, agora 28.

Quem visitar a Casa da Moeda ainda vai descobrir que as figuras que estão disponíveis nas cédulas são formadas por pequenos números que correspondem ao valor daquela nota.

A Casa da Moeda do Brasil tem a capacidade de fazer a impressão de 10 mil folhas de dinheiro a cada hora. Cada uma dessas folhas tem 45 ou 50 cédulas, variando de acordo com o valor da nota, já que as de R$ 50 e R$ 100 são maiores do que as outras. Em cada turno de trabalho dos funcionários da Casa da Moeda, 2,25 milhões de notas são fabricadas e depois vão para a Seção de Crítica, onde mulheres analisam as notas e buscam por erros gráficos que podem ter acontecido. Roberto Miguel da Silva, que é o gerente executivo da impressão das cédulas, contou que as mulheres fazem esse trabalho porque são mais detalhistas e que homens já foram colocados para atuar na função, mas que a mudança não deu certo.