Publicado em: terça-feira, 16/08/2011

Carta escrita por ex-repórter do News Of The World acusa direção da empresa de ter conhecimento sobre escutas telefônicas

O Parlamento Britânico divulgou nessa terça-feira (16) uma carta escrita em 2007 por um ex-repórter do tabloide News Of The World, Clive Goodman, na qual ele acusa os responsáveis pela publicação de terem conhecimento sobre a prática de escutas ilegais. Com esse documento, o depoimento de James Murdoch, filho do magnata australiano Rupert Murdoch, cai por terra, pois, ele declarou que a direção do jornal não estava ciente das práticas clandestinas.

Um dos motivos para ter incentivado Goodman a enviar a carta ao diretor de Recursos Humanos da News International, Daniel Clocke, foi por ele ter sido o principal acusado pela News International, braço britânico da News Corporation, de envolvimento no caso dos grampos. Em sua defesa, Goodman afirma que as estratégias de escutas eram discutidas em reuniões de pauta e era conhecimento geral que essa prática era aceita dentro do NOTW.

“A decisão é perversa porque as ações que levaram a essa ação criminal foram feitas com conhecimento e apoio total (da direção). E é inconsistente porque outros membros da equipe estavam fazendo o mesmo,” revelou Goodman na carta publicada. De acordo com o ex-repórter, as discussões sobre os métodos para realizarem escutas deixaram de ser explícitas por ordem do ex-editor do jornal, Andy Coulson, que comandou o tabloide entre 2003 e 2007.

A demissão e as acusações contra Goodman foram os motivos para que Coulson decidisse deixar o tabloide, sendo que logo em seguida foi contratado como porta-voz do primeiro-ministro britânico, James Cameron. Quando novas denúncias surgiram em janeiro Coulson deixou o premiê.