Publicado em: quarta-feira, 18/02/2015

Carnaval termina com confusão entre diretoria e carnavalesco

Paulo Barros, o aclamado carnavalesco que ajudou a escola de samba Unidos da Tijuca a conquistar vários títulos, foi criticado pelo presidente da antiga escola, agora que estreou em 2015 na Mocidade. Fernando Horta, presidente da Tijuca, declarou em uma entrevista na última segunda feira que não aprovou o trabalho de Barros na escola adversária, afirmando que o carro que trazia vários casais em camas de motel seria muito apelativo para a escola conseguir garantir a vitória.

Paulo Barros respondeu as críticas em seu perfil no Facebook. Ele afirmou que o presidente da escola adversária não gostou do seu trabalho, ele tem todo o direito, mas que ao invés de ficar criticando, poderia apenas ter se virado no momento em que esse carro passou pela avenida. Ele ainda criticou Horta, afirmando que deixou a Unidas da Tijuca porque ele jamais teria permitido que um carro como aquele fosse feito na escola da Tijuca. Barros ainda rebateu outra acusação, afirmando que jamais se colocou como único responsável pelos méritos da antiga escola, mas não vai admitir que Horta diminua seu valor para a as conquistas da Tijuca.Carnaval termina com confusão entre diretoria e carnavalesco

Na postagem, Barros afirmou que mesmo que Horta tente negar, o nome dele sempre estará cravado nas paredes da escola, que ele se fez sozinho sem a ajuda de Horta, porque a história dele começou já nos grupos de acesso, onde pode exercitar seu lado artístico. Ele ainda agradeceu Horta por ter dado a ele a chance de ser carnavalesco na Tijuca em 2004, mas que esse era o único mérito que ele teria, porque o carnavalesco teria já nascido artista, com o talento que vem sendo reconhecido cada ano mais. Ainda no desabafo, Barros acabou reclamando da dupla que assinou as comissões de frente da Tijuca no mesmo período que ele, Rodrigo Néri e Priscila Motta.

Ele reclamou que em 2014, Rodrigo e Priscilla teriam decidido usar um carro de fórmula 1 sem o seu consentimento, já que ele teria alertado para o problema que o carro poderia representar no momento do desfile, o que efetivamente acabou acontecendo durante o desfile. Ele ainda acusou a dupla de estar usando trabalhos seus como portfólio.