Publicado em: sexta-feira, 05/04/2013

Cantina italiana de São Paulo retira tomate do menu como forma de protesto contra inflação

Cantina italiana de São Paulo retira tomate do menu como forma de protesto contra inflaçãoA culinária italiana apresenta uma grande quantidade de pratos que empregam o tomate em sua constituição, como exemplo disto estão os famosos filé à parmegiana, a pizza mussarela, além da bruschetta. Estes pratos são tradicionais na cantina Nello’s, que fica na cidade de São Paulo, porém Augusto Melo o proprietário do estabelecimento comercial, resolveu que o fruto fosse retirado do cardápio do restaurante. Esta alteração radical no menu foi explicada em um cartaz que foi fixado na porta de entrada da cantina, em que Melo culpa a inflação exagerada sobre o tomate como e o respeito à história do estabelecimento, como motivo para deixar o tomate fora do cardápio.

O quilo do tomate na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) no mês de fevereiro chegou a R$ 4,11, que é o dobro cobrado no mês de fevereiro de 2012, depois da Páscoa terminar, o valor chegou a aumentar para R$ 9,00 no atacado e o valor atinge incríveis R$ 12 em supermercados.

Melo diz que uma situação como está é extremamente desagradável para uma cantina italiana, porém eles tem o compromisso de manter os preços justos para os clientes. Ele ainda diz que a caixa de tomates de 20 quilos que custava cerca de R$ 20 até R$ 35, durante a última semana passada subiu para incríveis R$ 180 no atacado. Segundo ele, a cantina fazia com que ele costuma comprasse uma tonelada de tomates a cada semana para que servisse aproximadamente 200 refeições de segunda até sexta-feira e 400 durante os sábados e domingos.

A cantina funciona há 38 anos no bairro de Pinheiros e divulgou um manifesto através do Facebook mostrando a explicação para o boicote ao tomate, e informou que isto irá continuar no período em que os preços estiverem fora do normal. Uma quantidade superior a 500 internautas tinham manifestado que apoiavam o protesto apenas na tarde de quarta-feira (3).

O empresário faz o desabafo que nem durante os tempos que ocorria a hiperinflação os valores chegavam a variar tanto e de uma maneira tão brusca. Conforme Melo, não há uma explicação que possa ser aceitável para este aumento nos valores cobrados e ele diz ainda que o que mais chega a preocupar é que os valores nunca mais retornam para o nível que era cobrado antes da elevação. Ele ainda contesta a maneira que o governo Dilma tem levado este assunto, pois o governo chega a insistir que deve ser trocado esta pouca inflação para que haja crescimento, porém ele diz que é preferível ficar sem uma mercadoria do que ter que passar o aumento abusivo aos clientes.

Os clientes do restaurante são orientados para que troquem o filé à parmegiana por um filé à milanesa, e o tomate não está presente nem nas saladas. Conforme Melo, até este momento ninguém chegou a reclamar e quando são informados quais os motivos para o tomate estar em falta, os consumidores concordam e prometem que irão boicotar este produto também em suas compras do dia-a-dia.

O empresário defende que as pessoas boicotem os valores que estão aumentando de maneira exagerada, inclusive quando for comer fora de sua residência. Augusto Melo afirma que vai bastante a outros restaurantes, até como forma de saber como o mercado está, e diz que tem ficado assustado com os valores que estão sendo cobrados. Conforme ele aponta, a única maneira para que a inflação não volte é a população ter consciência e não aceitar este tipo de abuso.