Publicado em: sexta-feira, 21/02/2014

Câncer poderá ser identificado com antecipação por exames de sangue

Câncer poderá ser identificado com antecipação por exames de sangueUma técnica estudada nos Estados Unidos pode fazer com que o monitoramento do câncer seja facilitado por meio de análises sanguíneas, inclusive com a possibilidade de detecção muito antecipada de tumores que não podem ser identificados por métodos tradicionais de diagnóstico.

A estratégia recebeu o apelido de “biópsia líquida”, e analisa pedaços de DNA que vazam dos tumores para a corrente sanguínea (DNA tumoral circulante), que são como impressões digitais da doença. Esta avaliação permite que os cientistas consigam caracterizar, escolhendo assim o tratamento mais adequado.

Este conceito de análise não é novidade, mas estudos publicados nesta semana nos EUA servem como “prova de conceito” a respeito da eficácia do método e seu seu potencial para aplicações práticas. A principal vantagem é que o método de monitoramento da doença é simples e não invasivo, além de facilitar a avaliação de tumores que seriam arriscados com a biópsia tradicional, por estarem em locais de difícil acesso no corpo.

A eficácia deste método por análise sanguínea variou entre 50% e 75%, sendo mais eficiente na identificação de tumores no pâncreas, ovários, intestino, bexiga, esôfago, mama e pele. Já nos casos de tumores primários nos rins, próstata, tireoide e no cérebro, a eficácia foi menor. A princípio, a aplicação da técnica será prioritariamente no acompanhamento de casos de câncer já diagnosticados.

Robô ajuda em cirurgia contra câncer no SUS

O governo de São Paulo adquiriu um robô que vai guiar operações no Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo). A Secretaria de Saúde afirmou que cinco especialidades terão atendimento do equipamento. Serão elas a urologia, ginecologia, cabeça e pescoço, aparelho digestivo e cirurgias do tórax.

Pela estimativa, o robô deve beneficiar mais de 1.000 pacientes até dezembro de 2016. O equipamento fará procedimentos minimamente invasivos, será acionado pelo médico e vai oferecer visão tridimensional, permitindo intervenções muito mais precisas do que pelos métodos tradicionais. O tempo de recuperação das intervenções realizadas com o robô também deve ser menor. Até o momento, o novo equipamento já foi utilizado em três oportunidades.