Publicado em: terça-feira, 04/06/2013

Campo Grande: mulher escorrega em sorvete e shopping paga indenização

Campo Grande: mulher escorrega em sorvete e shopping paga indenizaçãoAo passear por um shopping da capital a mulher identificada apenas pelas siglas G.V de A, escorregou em uma poça de sorvete no chão e caiu, o que ocasionou algumas escoriações. O shopping 26 de agosto foi condenado a pagar 3,5 mil reais à cliente pelo incidente.

G.V contou à justiça que outra pessoa teria sofrido a mesma queda em decorrência da falta de limpeza do local, e argumentou que o shopping foi displicente e não tomou as devidas providências para evitar novos tombos em decorrência do sorvete no lugar de passagem.

A sentença

O shopping por sua vez se absteve da culpa e declarou que o acidente só aconteceu porque a mulher não tomou cuidados ao passar pelo lugar, não evitou a poça e em consequência disso foi ao chão. O centro comercial reconhece que o acontecido é uma casualidade a que todos estão expostos no dia a dia. Ainda alegando defesa, o estabelecimento diz que ao saber do fato prestou os devidos socorros à cliente, mas esta recusou e se negou a ir ao hospital com a ambulância do SAMU.

A sentença foi ratificada pela Vara do Juizado Especial em Campo Grande, constando nos autos da indenização que a defesa da parte acusada não foi concisa na declaração de que a falta de cuidado foi por parte da autora da acusação. Para a justiça o fato de outra pessoa ter passado pelo mesmo problema em outro momento, faz com que seja incontroversa a alegação de descuido por parte da usuária do serviço do estabelecimento. Conjuntamente, consta no processo a ineficiência do shopping, por não colocar no local algum funcionário ou placa alertando para o perigo de passar na área. Também foi citada a isenção de culpa por parte do shopping ao transferir a responsabilidade aos clientes.

O pedido de indenização foi aceito sob a alegação de danos morais, com valor estipulado em 3,5 mil reais. O critério utilizado foi de compensação- punição e acrescentado pelas características do caso, sem a intenção de enriquecimento sem causa.