Publicado em: sábado, 21/06/2014

Cambistas são presos em todo o país por venderem ingressos para a Copa

Cambistas são presos em todo o país por venderem ingressos para a CopaDesde que a Copa do Mundo começou no Brasil, pelo menos 104 cambistas já foram detidos por venderem ingressos falsificados em nove cidades que são sedes da Copa do Mundo. Até agora, somente Pernambuco e Paraná não registraram nenhum caso de venda ilegal. Já em São Paulo, o Comando de Policiamento da Copa (CPCopa) afirmou que irá divulgar dados sobre o assunto após o fim do mundial.

No Rio de Janeiro, 54 deles foram detidos pela Polícia Militar e pela Guarda Municipal, em uma parceria com a Secretaria de Ordem Pública que estava atenta aos casos que andavam acontecendo. Durante o primeiro jogo no Maracanã, que aconteceu no último domingo (15), 14 pessoas foram encaminhadas à delegacia, entre eles um francês e três ingleses, por estarem com cerca de US$ 4,3 mil, R$ 3,4 mil e 14 ingressos.

Dados efetivos somente após o fim do Mundial

Na quarta-feira (18), outra operação foi feita e 14 pessoas foram presas. Onze deles eram chilenos, dois colombianos, dois americanos, dois canadenses, dois mexicanos, também um japonês, um alemão e um venezuelano e um peruano. Segundo informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil, informou que o Instituto de Segurança Pública (ISP), irá reunir todos os dados em relação aos acontecimentos durante à Copa e passar a Secretaria de Estado de Segurança (Seseg), mas após o encerramento do mundial.

O episódio também se repetiu no Rio Grande do Sul, oito cambistas foram detidos desde quando começaram os jogos em Porto Alegre, eles possuíam 87 ingressos ao todo. Além dos ingressos, a polícias também apreendeu R$ 14 mil em dinheiro e mais US$ 600. Em meio aos que foram detidos estavam um brasileiro, um americano, um hondurenho, dois australianos e três holandeses. O grupo irá responder por crimes que constam no Estatuto do Torcedor (Artigo 41-F), que penaliza a reclusão de um a dois anos, além de multa, todos deram depoimento e logo depois foram liberados. Até agora no Paraná não foram registrados a prisão de cambistas pelo Centro Integrado de Comando e Controle Regional.