Publicado em: quarta-feira, 23/04/2014

Câmara cobra explicações de ministros e ex-presidentes da Petrobras

Câmara cobra explicações de ministros e ex-presidentes da PetrobrasO caso das denúncias de superfaturamento envolvendo negociações da estatal Petrobras continuam. A Câmara dos Deputados aprovaram os convites para o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, o ex-presidente da Petrobras Sergio Gabrielli, além do ex-diretor do setor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró e o minsitro da Advocacia-Geral da União, Luís Inácio Adams.

Esses nomes terão que explicar sobre a compra da refinaria norte-americana chamada Pasadena. As comissões de Desenvolvimento Econômico, de Relações Exteriores e de Fiscalização e Controle da Câmara votaram a favor dos convites.

A aprovação aconteceu nesta quarta-feira, dia 23 de abril. Mas, são convites e não convocações. Portanto, os envolvidos podem escolher se irão comparecer à Câmara ou evitar responder aos questionamentos dos deputados.

Desde o ano de 2006, quem comandava a Petrobras era Gabrielli. Naquela época, ele comprou 50% da refinaria Pasadena que pertencia à belga Astra Oil. O prejuízo nas negociações giram em torno de US$ 530 milhões à Petrobras. Cerveró já compareceu à Câmara e recebeu o convite pela segunda vez.

No dia 16 de abril, ele deu um depoimento dizendo que não houve intenção dos responsáveis da Petrobras nunca foi de enganar outras pessoas ao tomarem a decisão de esconder duas cláusulas importantes no contrato de compra da refinaria.

Quanto aos ministros Adams e Mantega, os questionamentos tem a ver com o envolvimento deles na formulação da ata de reunião do Conselho de Administração da Petrobras. Isso porque o documento avalizava a compra da Pasadena. De acordo com o deputado Vicentinho (PT-SP), Gabrielli se dispôs a dar depoimentos porque está seguro de seus argumentos.

O deputado acredita que existe compatibilidade entre a fala dele e da presidente Dilma Rousseff. O advogado de Cerveró também já declarou que o cliente não deixará de aceitar o convite da Câmara mesmo que seja pela segunda vez. Ele garante que Cerveró irá confirmar a transparência nas transações da Petrobras.

Gabrielli provocou a presidente Dilma dizendo que ela não deve fugir de suas responsabilidades. Já que, em 2006, Dilma era ministra-chefe da Casa Civil, além de presidir o Conselho de Administração da Petrobras. A presidente já respondeu a acusação de Gabrielli dizendo que aprovou a compra da refinaria em um relatório que foi manipulado.