Publicado em: quinta-feira, 26/07/2012

Cachoeira depõe e diz que denúncia contra ele é inepta

Como já era de se esperar, Carlinhos Cachoeira, principal acusado de financiar o jogo do bicho no estado de Goiás e no Distrito Federal, não deu maiores informações que contribuíssem para o andamento das investigações. Ele ficou 13 minutos quieto utilizando o direito constitucional de não falar para não constituir provas contra si mesmo. Manteve o silêncio na maioria das perguntas do Juiz Alderico Rocha Santos. Ele alegou que gostaria sim de fazer um debate, mas como o processo tem muitas falhas preferiu se calar. Em maio, quando participou do interrogatório na CPI do Cachoeira, ele também ficou quieto e disse que falaria apenas após seu depoimento legal à justiça. O depoimento do bicheiro era o mais aguardado e daria sustentação a Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que conseguiu, por meio de interceptações telefônicas, indicar 84 envolvidos.

A única coisa em que o réu foi incisivo foram nas declarações de amor que fez á mulher durante os questionamentos. Quando o juiz perguntou se ele era oficialmente casado ele disse que quando o Ministério Público o liberasse ele se casaria, no primeiro dia em liberdade. Ele ainda disse que a amava e que ela havia mudado sua vida. Ela respondeu sorrindo dizendo que lhe amava também. O réu afirmou que virou um leproso jurídico e que um dia tudo será esclarecido e todos saberão quem ele é. O Dadá, considerado o braço direito de Carlinhos, depôs logo em seguida. Ele também seguiu os passos de Cachoeira e ficou calado. Os dois outros acusados que deporam após eles utilizaram o mesmo artifício. A audiência foi encerrada no dia de ontem (25) ás 17h23min e o juiz concedeu 24 horas para que os advogados de defesa e de acusação apresentem requerimentos. A sentença final poderá levar até 30 dias, e enquanto isso Cachoeira ficará em Brasília, no presídio da Papuda.