Publicado em: sexta-feira, 28/03/2014

Cabeça humana é encontrada dentro de saco plástico na Praça da Sé, em São Paulo

Cabeça humana é encontrada dentro de saco plástico na Praça da Sé, em São PauloNa manhã de ontem, quinta-feira (27), mais um caso esquartejamento ronda a cidade de São Paulo, a Guarda Civil Metropolitana (GCM) encontrou uma cabeça dentro de um saco plástico, ela estava ao lado de um espelho d’agua na Praça da Sé, localizada na região central da cidade. A Polícia Cívil está tentando identificar se esse caso tem ligação com as partes de um corpo esquartejado no final de semana, e também deixado em sacos plásticos perto próximo ao Cemitério da Consolação, em Higienópolis. Até a última quarta-feira (26), a polícia seguia em busca das imagens das câmeras de segurança afim de tentar descobrir o crime, em meio a análise, os investigadores identificaram o suspeito de perfil, em um ângulo que possivelmente possa levar ao reconhecimento dele.

As imagens mostram um rapaz jovem, de cabelos bem curtos e escuros, o horário em que ele passava pelas câmeras eram ás 7h41 do último domingo (23), o suspeito estava andando na rua, enquanto puxava um carrinho de feira, no qual acredita-se que era o local onde ele estava carregando os pedaços do corpo da vítima. Ele estava trajando uma bermuda cinza, moletom e chinelos brancos. Foi visto por duas vezes, na primeira, descendo a Rua Itacolomi. Logo em seguida, outra câmera do mesmo prédio, mostra que o carrinho do indivíduo parecia estar cheio e pesado porque pelo menos duas vezes durante seu trajeto, ele parou para arrumar os pacotes que estavam dentro do carrinho de feira.

As imagens também mostram, após percorrer a rua Itacolomi e atravessar o sinal na faixa de pedestres, o suspeito vira a direita e entra na Rua Sergipe. Durante o caminho ele cruzou com muitas pessoas e continuou percorrendo a rua, até que, quando chegou a Rua Sabará, deixou o primeiro saco plástico, depois desapareceu. Segundo suspeitas da polícia, o homem foi pegar outras partes do esquartejado, abandonadas em diversos locais de Higienópolis.