Publicado em: segunda-feira, 12/03/2012

Britânico com “síndrome de encarceramento” ganha direito de pedir para morrer

Nesta segunda-feira (12), o britânico Tony Nicklinson, de 58 anos, ganhou o direito de solicitar na Justiça o suicídio assistido. Em 2005, Nicklinson sofreu um derrame que o deixou completamente paralisado, sendo que ele se comunica somente através da movimentação de seus olhos. Ele tem a chama “síndrome de encarceramento”, e não consegue fazer nenhum movimento. Nicklinson deseja que a Justiça conceda a proteção legal a um médico para o ajude a se matar.

O Ministério da Justiça, por sua vez, afirma que se Nicklinson conseguir o que deseja, as leis com relação aos assassinatos precisariam ser alteradas. A “síndrome do encarceramento” deixa o paciente paralisado, porém suas atividades cerebrais continuam em funcionamento assim como sua capacidade de raciocínio. Desta forma, o britânico pode levar seu caso adiante na Justiça.

Mulher lê comunicado do marido

Depois de dada a decisão judicial, a mulher de Nicklinson, Jane, leu para a BBC o comunicado de seu marido sobre o caso. Ele afirma estar satisfeito com o fato de que esta questão (da morte assistida) possa ser discutida em um tribunal. “Não é mais aceitável que a medicina do século 21 seja governada pelas atitudes do século 20 em relação à morte”, afirma Nicklinson.

Jane diz que Nicklinson apenas quer saber se, quando sua hora chegar, ele poderá escolher sobre qual caminho poderá seguir. Ela conta que se todos vissem como ele era antes do incidente, poderiam notar o quanto a vida desta maneira é “insuportável”. Ela diz que não sabe quando o marido deseja morrer, mas que acredita ser quando ele “não suportar mais”.