Publicado em: sexta-feira, 30/03/2012

Brics assinam acordo para comércio e investimento

Os representantes dos bancos dos países que participam dos BRICs – China Índia, Rússia, África do Sul e Brasil – assinaram ontem (29), durante o evento do bloco em Nova Déli, na Índia, um acordo que vai auxiliar o comércio e investimentos por meio de moeda local. Esse assunto vinha sendo discutido desde a reunião que deu início ao grupo. No entanto nunca havia ganhado força como ocorreu nesta reunião. O grupo também busca se fortalecer para buscar mais espaço no Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. O objetivo do projeto é também aumentar a representatividade dos países que participam do grupo.

A meta é aumentar a cooperação entre os bancos de desenvolvimentos para melhorar o comércio entre os países. No Brasil, por exemplo, trata-se do BNDES. Esse acordo traz facilidade como a obtenção de financiamentos e desvincula as negociações do dólar. Isso evita que os negócios passem por instabilidade cambial, já que o dólar está sempre muito instável. Para a presidente do Brasil esse acordo torna-se um marco de sustentação para a economia do bloco.

Dilma ressaltou ainda que os BRICs vão ocupar um espaço importante no cenário econômico global e também devem responder por uma parcela significativa de todo o comércio entre diferentes países. Além disso, a presidente disse que houve uma notável expansão no comércio entre os países que fazem parte dos BRICs, o que mostra que a relação entre eles é forte e estável. Dilma comparou que o grupo começou com US$ 27 bilhões em 2002, mas atualmente se estendeu para US$ 250 bilhões em 2011, num período menor do que 10 anos. Há ainda a proposta da criação de um banco de desenvolvimento do bloco. O objetivo, segundo Dilma é que ele atue em projetos de inovação, infraestrutura e ciência e tecnologia. Isso indica, segundo a presidente, a vontade dos países em trabalharem juntos.