Publicado em: segunda-feira, 19/03/2012

Brasileiros sofrem com distúrbios do sono, diz pesquisa

Com o dia do sono comemorado na última sexta feira, diversas ações foram realizadas para falar sobre os problemas em diversos locais do país. Médicos e pesquisadores realizaram palestras e tiraram dúvidas da população quanto a problemas, tempo de sono, entre outras questões. Os dados da Organização Mundial de Saúde mostraram que 40% da população em todo o mundo possuem problemas para dormir, sejam distúrbios ou síndromes. No Brasil, por exemplo, 43% das pessoas têm dificuldades para conseguir dormir de maneira correta. Além disso, os distúrbios do sono podem ocasionar outras doenças mais graves, pois o organismo fica cansado.

As pesquisas mostram ainda que esse é um problema que tem aumentado gradativamente e uma das causas é a correria diária e o estresse. A Associação Brasileira do Sono publicou informações dizendo que há cerca de 90 tipos de distúrbios do sono, no entanto os pacientes não sabem do problema. Destaca-se, por exemplo, a apneia que está em 30% dos adultos e a insônia que causa problema para mais 15%. No estado de São Paulo, onde os problemas do dia a dia afetam mais a saúde da população, foram realizadas várias ações para esclarecer a população a respeito dos problemas.

Os médicos alertam que alguns problemas do sono podem ocasionar outras doenças. Quem tem apneia, por exemplo, pode ter outros problemas com o passar do tempo, tais como diabetes doenças cardíacas e hipertensão. Os distúrbios do sono têm efeito ainda na qualidade de vida das pessoas, provocando doenças e aumentando a mortalidade. Por isso, a associação de São Paulo também alerta para a identificação dos problemas e o tratamento. É preciso passar por avaliação médica e exames para detectar os males.

Os médicos chamam a atenção também para o desenvolvimento de problemas em crianças, principalmente o sono interrompido. Trata-se de algumas características como o terror noturno, pesadelos, sonambulismo e confusão ao despertar. Esses problemas estão ligados ao sistema nervoso e é necessário procurar um médico.