Publicado em: sábado, 17/12/2011

Brasileiros acusados de maus tratos no Haiti investigados pela ONU

Soldados brasileiros que participaram das operações de recuperação no Haiti, país que foi devastado por desastres naturais, vão ser investigados por acusações de terem espancado e assaltado jovens haitianos. A Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti fez o anúncio na quinta-feira (15) e afirmou que as acusações dizem respeito a maus-tratos por parte de membros das tropas brasileiras contra três jovens nativos do país.

Junto com o mesmo anúncio confirmando as investigações sobre o caso, a instituição da ONU destacou que vai fazer uso de todos os meios de imprensa que estiverem ao seu alcance “para esclarecer os fatos o mais rapidamente possível” e lembrou a sua política de “tolerância zero” para casos de má conduta dentro do seu contingente. A denúncia foi feita em uma entrevista coletiva da Rede Nacional de Defesa dos direitos Humanos (RNDDH) na quarta-feira (14) e que, após essa divulgação, se tornou pública.

De acordo com as informações prestadas pela RNDDH, um grupo de oito brasileiros membros da tropa da ONU teria atacado os três jovens. O local do ataque teria sido Fort Dimanche, no centro de Porto Príncipe, mas não foi oferecida data de quanto supostamente aconteceu. Os haitianos teriam tentado manter a luta com os brasileiros.

Imagens divulgadas pela imprensa haitiana na quinta-feira mostraram fotos dos autores das denúncias com machucados nos seus corpos. Na coletiva, a RNDDH condenou “os atos de agressão cometidos por soldados da Minustah, alguns dos quais foram já acusados de violação dos direitos de haitianos em várias cidades do país”.