Publicado em: segunda-feira, 05/03/2012

‘Brasil vai organizar uma Copa impecável’, afirma Teixeira

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, publicou no site da entidade, durante o final de semana, comunicados sobre a organização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Os preparativos para a Copa foram motivos de críticas do secretário-geral da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Jérôme Valcke.

As críticas foram recebidas na última sexta-feira (2), quando Valcke disse que o Brasil precisava levar “um pontapé no traseiro” para acelerar as obras. Outras críticas feitas pelo secretário-geral da entidade se referem à Lei Geral da Copa, que tramita na Câmara dos Deputados. Em função das declarações feitas por Valcke, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, convocou uma entrevista coletiva ontem (3) e disse que não aceitará mais o secretário-geral como interlocutor das negociações entre a Fifa e o Brasil.

Em um dos comunicados postados por Teixeira no site da CBF, o presidente da entidade afirma que embora algumas questões na organização da Copa do Mundo pareçam que avançam com lentidão, isso se deve ao fato de o Brasil ser uma democracia. E nas democracias as discussões devem ser amplas e ter a participação do povo.

Teixeira pede tranquilidade para a Fifa

O presidente da CBF diz que compreende as preocupações da Fifa e diz que são naturais e legítimas, mas ressalta que a entidade pode ficar tranqüila que o Brasil tem competência para organizar uma Copa do Mundo de qualidade. Teixeira disse ainda que a Copa de 2014 vai ocorrer no Brasil em função do rodízio de continentes e principalmente pela força que a América do Sul possui com seus nove títulos mundiais.

A organização, segundo Teixeira foi confiada ao país mais vitorioso da história das copas e também por ser o único que disputou todas as edições do evento. Além disso, o torneio está sendo organizado por uma das seis maiores economias do planeta, mais especificamente no país que continua crescendo mesmo quando o mundo passa por uma grave crise econômica.