Publicado em: segunda-feira, 16/03/2015

Brasil tem 340 cidades com risco de surto de dengue

De acordo com o ministro da saúde, Arthur Chioro, o Brasil conta hoje com 340 cidades que estão em situação de risco por conta da dengue. Além destes, existem outros 877 municípios que estão em situação de alerta por conta do risco de novas infecções. De acordo com o governo federal, até o dia 7 de março, na última semana, haviam sido registrados quase 225 mil casos da doença em todo o Brasil, o que representa um aumento de 162% com relação ao mesmo recorte de tempo em 2014, quando foram registradas mais de 85 mil ocorrências da doença. Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, houve uma queda de mais de 30% do número de mortes, entre o ano passado e 2015.

No último ano, entre os dias 1º de janeiro e 7 de março chegaram a morrer 76 pessoas, enquanto neste ano, no mesmo período, foram 52 mortes. As informações fazem parte do LIRAa, o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti. Os dados foram divulgados na última semana, em uma entrevista coletiva. A pesquisa levantou os dados com base em mais de 1840 cidades que foram voluntárias para participar do levantamento.Brasil tem 340 cidades com risco de surto de dengue

As cidades em que o levantamento identificou foco de dengue em um a cada grupo de 100 imóveis estão incluídos na categoria satisfatório. Se o número for acima de um até quase quatro, já são incluídos na categoria de alerta. Municípios em que esse índice fica acima de quatro, já se enquadram na categoria risco de surto de dengue. Cuiabá é a única capital que foi incluída na categoria risco de surto de dengue. Na categoria alerta, foram incluídas 18 capitais: São Paulo, Vitória, São Luís, Salvador, Rio de Janeiro, Recife, Porto Velho, Porto Velho, Palmas, Manaus, Maceió, Macapá, Goiânia, Fortaleza, Campo Grande, Belo Horizonte, Belém e também Aracaju.

As capitais Teresina, João Pessoa e Brasília foram consideradas satisfatórias na análise. Não foram apresentados dados das capitais Rio Branco, Natal, Florianópolis, Curitiba e Boa Vista. O ministro ainda destacou como positiva a redução de quase 10% do número de casos mais graves da dengue, com relação ao ano anterior.