Publicado em: sexta-feira, 17/01/2014

Brasil exportou mais de 1,5 mil jogadores em 2013

Em 2008, a crise mundial afetou de maneira considerável o mercado do futebol, que se viu obrigado a economizar. Cinco anos após a recessão, os clubes parecem ter se recuperado plenamente. Ao menos é isso que os números indicam: em 2013, as equipes de todo o mundo abriram seus cofres, quebrando recordes em número de contratações. Entre transferências, empréstimos e compras, o futebol brasileiro foi responsável por nada menos do que 1,5 mil transações no exterior.

De acordo com a FIFA, em 2013 foram investidos cerca de U$3,7 bilhões para a aquisição de jogadores. Esta quantia representa um acréscimo de 40% em relação ao mesmo período do ano anterior, um aumento jamais visto antes. O acréscimo no valor total de negociações, que foi de mais de U$1 bilhão em relação a 2012, teve como principais responsáveis clubes como Paris Saint-Germain, Real Madrid e Monaco.

Curiosamente, apesar do aumento no volume de dinheiro investido, a quantidade de transferências ficou praticamente estável. A FIFA registrou, em 2013, cerca de 12 mil transferências internacionais de atletas, número apenas 5% maior do que o do mesmo período no ano anterior. Isso significa que o passe dos atletas ficou bem mais caro em 2013.

Agentes

Apesar de os jogadores estarem custando muito mais, quem realmente está faturando esta nova fatia do bolo são os agentes dos atletas. A FIFA estima que, em 2013, os agentes ficaram com cerca de U$216 milhões, valor 30% maior do que o apresentado no ano anterior. Esta é uma tendência que já havia sido percebida pela UEFA. A confederação europeia, inclusive, já tem estudado a possibilidade de extinguir a figura do empresário de atletas, com o objetivo de reduzir os preços dos passes de jogadores.

Jogadores brasileiros

O ano de 2012 teve o registro de 1463 jogadores do Brasil negociados internacionalmente. Este valor, em 2013, foi de 1530. Com estes números, o Brasil se mantém como recordista absoluto no mundo em relação à quantidade de transferências de jogadores. Neste sentido, o grande mercado para os jogadores daqui ainda é a Inglaterra. Os clubes ingleses foram os que mais gastaram com contratações de brasileiros, desembolsando cerca de U$910 milhões em 2013, valor que supera a casa dos R$2 bilhões.

O perfil de cada campeonato influencia diretamente no tipo de jogador procurado. Na Itália, por exemplo, há uma constante procura por atletas da América do Sul. Por lá, uma parcela considerável dos estrangeiros negociados em 2013 vieram de países da América do Sul. A Alemanha também apresentou um dado curioso no último levantamento da FIFA, tendo contratado 25 atletas do Japão em 2013, um número inédito que ajuda a mostrar a evolução do futebol japonês nos últimos anos.

Há cerca de duas décadas, o Japão tinha dificuldades até mesmo para montar uma seleção. Hoje, o país tem atletas em diversos clubes de grande porte da Europa, como Kagawa (Manchester United), Uchida (Schalke), Hasebe (Wolfsburg), Nagatomo (Inter de Milão), Hosogai (Bayer Leverkusen) e muitos outros.