Publicado em: segunda-feira, 18/06/2012

Brasil duplica áreas de preservação e hoje tem 8,8% do território

Um estudo mostrou que nos últimos 20 anos o Brasil dobrou as áreas de preservação, embora elas ainda sejam representadas por somente 8,8% do território. Enquanto em 1992 o Brasil possuía somente 157 unidades de conservação federais, que somadas eram equivalentes a uma área de 272.942 quilômetros quadrados, hoje são 310 áreas de preservação, totalizando 750.476 quilômetros quadrados. Esse total equivale a 8,8% de todo o território nacional. Esses dados foram divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e fazem parte dos Indicadores de Desenvolvimento Sustentável 2012, apresentados na Rio+20. Esse conjunto de áreas engloba áreas de proteção integral e também de uso sustentável. Nessa primeira categoria é proibida a presença de população permanente. Já na segunda estão autorizadas atividades da população nativa para subsistência.

Região Norte lidera concentração de áreas de preservação

A região Norte do país é aquela que conta com maior quantidade de áreas de preservação. 77% delas estão nos estados do Amazonas (29,8%) e do Pará (19,7%). Essa concentração é resultado da presença da Floresta Amazônica que ocupa grande parte dessa região. A Amazônia tem16% de sua área total protegida, sendo que 8,8% delas são consideradas de proteção integral, sendo proibida a presença de população permanente.

Nos últimos 20 anos a presença de áreas vedadas para moradia cresceu 115%, passando de 168.837 para 362.934 quilômetros quadrados. Os dados atuais são comparados com as informações de 1992. Das áreas de proteção integral, 82,1% estão concentradas na Amazônia, sendo que em seguida está o Cerrado, com 12,9% e a Mata Atlântica, com 2,9% do total. Esse assunto voltou a ser debatido na Rio+20. O objetivo é discutir, depois de 20 anos da Eco92, planos e ações que visam proteger as florestas. O evento reuniu governantes e participantes da sociedade civil.