Publicado em: segunda-feira, 04/07/2011

Brasil 0 x 0 Venezuela – Copa América 2011

A estreia verde-amarela no estádio de La Plata, na Grande Buenos Aires, neste domingo foi abaixo do esperado. A primeira partida oficial do time de de Mano Menezes também foi a primeira oficial da Seleção Brasileira após a dolorosa desclassificação para a Holanda na Copa do Mundo, ainda com Dunga, há um ano atrás. Mano curiosamente, escalou jogadores preteridos por Dunga para a África do Sul, como a dupla do Santos multicampeão Neymar e Paulo Henrique Ganso, ou ainda o atacante do Milan Alexandre Pato – o mais elogiado dentre os 11 da estreia na Copa América. No entanto, nenhum deles de fato conseguiu furar a defesa da Venezuela.

A partida abriu os trabalhos do Grupo B nesta Copa América, após o atraso considerável dos adversários brasileiros para subir ao gramado. O tempo desperdiçado ainda dentro dos vestiários obrigou a organização do evento suspender a execução dos hinos nacionais. Depois de a bola efetivamente rolar no esburacado gramado – desgastado após o empate de Argentina e Bolívia na abertura do torneio -, o time brasileiro se mostrou com dificuldades para entrar na área da seleção “VinoTinto”.

Por conta das dezenas de passes errados de ambas as equipes, os melhores momentos da primeira etapa ficaram por conta da solitária bola de Pato no travessão do arqueiro Vega, e a invasão de gramado de um simpático cachorro de uma área a outra. No início do intervalo houve um princípio de confusão envolvendo Neymar, Mano e Cesar Farías (técnico da Venezuela), numa discussão próxima aos vestiários.

No segundo tempo, o jogo caiu de ritmo e a Venezuela chegou a comandar as iniciativas, esbarrando em sua carência de jogadores bons e na eficiente defesa brasileira. Mano Menezes tentou mudar o certame ao colocar Fred em campo, que pouco fez. Depois foi a vez de Elano e Lucas, este último com seu nome gritado no estádio. No entanto foi pouco e o Brasil demonstrou desentrosamento e que ainda precisará melhorar. O resultado foi amplamente comemorado pelos venezuelanos.