Publicado em: quinta-feira, 12/01/2012

Bezerra rebate acusações em reunião com comissão

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), criticou as acusações que foram lançadas contra ele e contra seu partido nesta quinta-feira (12) perante a comissão do Congresso que se reuniu para ouvir explicações sobre o escândalo no qual o ministro vem sendo envolvido. Bezerra classificou como “radicalização das denúncias” as acusações contra ele e seu partido. O PSB vem articulando a candidatura do governador pernambucano Eduardo Campos para as eleições presidenciais de 2014.

“O que se quer com essa campanha é atacar a imagem não só minha, mas do meu partido, que preserva valores, como ética e moralidade na distribuição de cargos públicos. Sei relevar os ataques, sei aceitar as críticas. É preciso não atacar e denegrir a imagem das pessoas”, declarou Bezerra na reunião com a Comissão Representativa do Congresso Nacional. O ministro foi questionado por uma comissão por causa do recesso parlamentar.

Um dos pontos levantados por Bezerra é que seu irmão, Clementino Coelho, que ocupou interinamente a presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), não foi um caso de nepotismo por ter sido escolhido para tal cargo. De acordo com Bezerra, seu irmão já ocupava os quadros de diretor antes de ter seguido à presidência da Codevasf.

Com relação a ter privilegiado as emendas parlamentares apresentadas por seu filho, o deputado federal Fernando Coelho FIlho (PSB-PE), Bezerra defendeu que não foi somente ele quem teve 100% das emendas aprovadas, mas outros 53 parlamentares também conseguiram atingir a mesma meta.